O que nos controla: Tools of Control in Portuguese

Ferramentas de controle

Um livro sobre como quatro instituições em crescimento controlam o pensamento, o comportamento e a identidade humanos, e como podemos destruí-los para alcançar liberdade, autonomia, sustentabilidade, biodiversidade e bem-estar humano e ecológico.

Por

Adam S. Goldstein

“Ninguém é mais escravizado do que aqueles que falsamente acreditam que são livres.”

– Johann Wolfgang von Goethe

Uma nota aos leitores sobre as origens deste livro e minhas críticas aos governantes e dogmas religiosos:

Alguns amigos meus me inspiraram a mudar o tom do meu livro. Não quero dar aos leitores a impressão de que a situação é desesperadora, como se o dia do juízo final estivesse chegando amanhã. Esse tipo de provocação de medo é sem sentido. Embora existam problemas incrivelmente terríveis no mundo que precisam ser resolvidos, é importante não ficar sobrecarregado, então o tom do meu livro foi alterado e me concentrei mais no que pode ser feito do que no quanto fomos e somos controlados porque eu acredito que devemos focar nossas emoções nas circunstâncias atuais (sem nunca esquecer nossa história) e não ficar emocionalmente presos no passado.

Este livro não pretende ofender ninguém por suas crenças religiosas. Respeito e me importo com pessoas religiosas inocentes tanto quanto faço com indivíduos seculares inocentes. Quero apenas que o debate seja aberto, mas neste momento está demasiado fechado. Se você não pode nem questionar suas próprias crenças, isso é destrutivo. Eu faço isso o tempo todo. Sou humilde o suficiente para admitir que não sei se existe um Deus ou não, mas sei que nosso universo é governado por leis físicas e não temos provas científicas de nenhum Deus. Muitas pessoas usam a religião para enganar. As pessoas no poder fingirão ser apaixonadamente religiosas e alegarão que sua missão é “divina”, para que possam influenciar o zeitgeist e os comportamentos das pessoas religiosas. Eles fazem isso simplesmente por dinheiro e poder.

Comportamentos religiosos se desenvolveram antes da religião organizada e esses comportamentos foram principalmente positivos e úteis. (Alguns exemplos que discutirei neste livro são arte rupestre, enterro intencional, mediação, maior foco nos outros, maior autoconsciência e admiração sobre o cosmos.) Mas a religião organizada e seu poder tornaram-se cada vez mais centralizados até se transformar em outra ferramenta usada para controlar as pessoas. A religião também tornou a ideia de hierarquia mais onipresente, com Deus no topo, o que facilitou o desenvolvimento dos governos e a alegação de que governavam por “direito divino”.

Não gosto de rótulos, mas se tivesse que me identificar com alguma escola de pensamento sobre o assunto seria o humanismo agnóstico. Eu sei e me tornei mais consciente do fato de que para muitas pessoas (incluindo bons amigos) “Deus” é mais uma metáfora. Deus pode significar amor para algumas pessoas. Para outros, Deus pode significar “consciência de unidade” ou “consciência coletiva”. Para alguns Deus significa todas as formas de vida e a Terra. Neste caso, respeitar e amar a Deus significa algo muito positivo. Acho que essas concepções de “Deus” são, em última análise, positivas. Mas Deus como uma entidade vingativa, onipotente e onisciente removida da humanidade que não pode fazer nada errado é incrivelmente perigoso. Para acreditar nisso, você também deve acreditar que existem razões divinas para todas as coisas acontecerem. Mas não existem. Essa crença é tão perigosa porque requer algum tipo de justificativa para cada evento horrível na Terra que ocorreu e continua a ocorrer. Alguns argumentam que esses eventos horríveis são “experiências de aprendizado”, mas tivemos experiências de aprendizado suficientes para saber como tratar uns aos outros. O Homo sapiens evoluiu cerca de 100.000 anos atrás. A maioria de nós já sabe como tratar uns aos outros. Todos nós temos algum senso de certo e errado. A principal influência na criação de divisões ção e conflito são as pessoas mais ricas e poderosas do mundo porque lucram com isso.

Nós humanos somos constantemente enganados, enganados e enganados, então a maioria das ações que tomamos (especialmente em países industrializados) não promovem um mundo do jeito que queremos que seja com humanos e toda a vida na Terra abundante e saudável. A maioria das tragédias atuais são feitas pelo homem. São sistêmicas e amplas. Eles afetam bilhões de pessoas, mas a verdadeira fonte deles são apenas alguns. As instituições, pessoas e ideias que nos controlam são o que meu livro trata, mas não o único foco. Essas tragédias não são causadas por Deus, a menos que Deus signifique humanidade para você, caso em que Deus representa uma maioria fragmentada de pessoas honestas e uma pequena minoria de parasitas dirigindo e matando a todos nós. Eu acho que é importante ser claro ao falar sobre “Deus” o que significa porque Deus é um conceito tão carregado emocionalmente para tantas pessoas, e a palavra pode ter muitos significados diferentes. Acho importante saber falar sobre isso com sensibilidade. Algumas pessoas não gostam de suas crenças questionadas e se for você, você pode não gostar das coisas que eu digo.

Acho importante que aqueles de nós que entendem os perigos da religião organizada façam nossas críticas sobre as instituições e dogmas religiosos, e deixem os religiosos saberem que não os estamos criticando especificamente, a menos que façam algo que valha a pena criticar. As religiões organizadas atuais, como o islamismo e o cristianismo, têm sido usadas positivamente para protestos não violentos em massa, caridade (exemplos proeminentes de ativistas religiosos com impactos muito positivos incluem Dorothy Day, MLK e o papa João XXIII, que defenderam bispos, padres e pessoas comuns a dedicam-se a ajudar os pobres e a defender seus direitos na América Latina, à qual o governo americano respondeu essencialmente travando uma guerra contra a Igreja ali na década de 1980 com o assassinato do arcebispo Oscar Romero em 1980 – poucos dias depois de enviar uma carta a O presidente Carter implorou-lhe que não enviasse ajuda à junta militar homicida instaurada pelo governo dos EUA – e ao assassinato de seis importantes padres jesuítas latino-americanos em 1989), reuniões e demonstrações de unidade, mas às vezes até protestos não violentos se tornam violentos à medida que o o foco muda para dogma e divisão ou são atacados por causa da intolerância e ódio por suas crenças por outros grupos extremistas . O conceito de organização é fundamental, mas temos que lembrar por que estamos organizando. Todos queremos e precisamos das mesmas coisas, independentemente de nossas crenças, e acredito que devemos nos organizar para garantir que as necessidades humanas e ecológicas básicas sejam atendidas. Eu não tenho fé em um Deus esotérico, mas fé que a maioria da humanidade eventualmente se unirá e fará a coisa certa.

Todos nós temos experiências que criam uma tapeçaria de crenças. Antes de entrar no livro, devo explicar por que formei minhas crenças pelo menos sobre religião. Quando eu ainda era criança, sempre me incomodava muito com as grandes questões sobre a vida que ninguém que eu conhecia conseguia responder. Questões sobre o sentido da vida, nosso propósito e a morte atormentaram minha mente assim que as descobri, mas ninguém mais da minha idade parecia estar tão incomodado com elas quanto eu e não entendia por quê. Eu vi tanto sofrimento imerecido, conflito e morte no mundo e me perguntei por que Deus (em quem fui ensinado a acreditar e que era supostamente onipotente) deixaria tudo isso acontecer e nos daria tão pouca orientação.

Fui criado para ser religioso e me ensinaram que minha religião tinha muitas das respostas que eu procurava. Abracei-o pela primeira vez e fiz todos os esforços para ser uma boa pessoa religiosa porque me disseram que era necessário ser uma pessoa moral com acesso a uma (boa) vida após a morte. Mas fiquei bastante entediado com os cultos da Igreja e sua escola. A maioria dos reverendos da minha igreja pareciam pessoas morais e bem-intencionadas que se importavam com os outros, mas não conseguiam responder às minhas perguntas. Quando perguntei, eles não souberam me dizer por que Deus deixaria tantas pessoas morrerem todos os dias de fome, desidratação, doença e guerra ou me deram provas reais de que essas pessoas viveriam eternamente. Em vez disso, eles recitavam os mesmos chavões familiares sobre moralidade, Deus e adoração em seus sermões, e as canções do coral que os acompanhavam muitas vezes me pareciam estranhas e quase cult. Eles deveriam ser angelicais, mas quando havia problemas tão sérios, eu achava estranho. Perguntei a mim mesmo: “Por que a música não deveria refletir essas questões? Por que devemos tornar este espaço bonito por ser bonito? Por que não tornar bonito o que está fora de nós?” O foco estava em Deus e agradá-lo e eu me perguntava por que um ser onipotente precisaria de mortais para agradá-lo ou por que ele criaria um universo apenas para ser satisfeito por suas criações.

Como meus ministros não tinham as respostas, comecei a estudar minha religião e outras para ver se eles tinham as respostas. O que mais me interessou nas religiões foi sua tentativa de responder à questões que não poderiam ser respondidas pela ciência. As religiões pareciam preencher as lacunas, e percebi que elas tinham grandes efeitos sobre a ética em todo o mundo. Mas à medida que os estudava cada vez mais, descobri mais contradições. Disseram-me que a Bíblia era um livro de histórias sobre princípios morais. Mas o Antigo Testamento tem muito poucas passagens amorosas. Na maioria das vezes, Deus age como um vingador apático e raivoso pelos “pecados” da humanidade, como em Gênesis, em que Deus elimina a totalidade da vida na Terra, exceto dois de cada animal e a família de Noé pela percepção da “pecatividade” da humanidade. Também vi que a Bíblia contradiz muito do que a ciência nos diz sobre nossa história, e encontrei tantas, se não mais, histórias e regras odiosas, bizarras, misóginas e violentas do que amorosas e inclusivas. Muitos adeptos e crentes na Bíblia não estão cientes dessas histórias porque nem todos realmente a leram. Acho que é porque é muito difícil de ler e muitos não querem examinar mais de perto suas crenças. Eles só querem o conforto simples de respostas simples.

Ao ler a Bíblia, também vi que o extremismo religioso estava alimentando a violência em todo o mundo. Vi padres que deveriam ser os “mais próximos de Deus” nas notícias por molestar crianças, e vi a separação e os limites criados por pessoas com convicções religiosas fortes e díspares que as impedem de conversar umas com as outras. A religião também pode conectar as pessoas, mas a organização em massa do pathos religioso nem sempre produz um resultado positivo. As pessoas que se reúnem para a religião nem sempre se reúnem para o bem uns dos outros, e quando as diferenças colidem e superam a unidade criada, o conflito geralmente é o resultado.

Depois de ser arrastado para a igreja aos domingos, eu me sentava neste prédio luxuoso e extravagante e me perguntava sobre a hipocrisia de tudo isso. Enquanto as crianças passavam fome e morriam, sentamos em uma Igreja que valia milhões e para quê? Eu não entendia por que eu tinha que vir a este determinado edifício todos os domingos para ser um ser humano moral. Eu poderia fazer o mesmo serviço e trabalho voluntário que a Igreja fazia sem frequentar ou mesmo ter crenças religiosas.

A religião não parecia ser a resposta de onde eu estava sentado. Parecia apenas uma distração ou uma série de respostas fáceis para perguntas muito complexas e carregadas. A religião serve como um mecanismo de enfrentamento para o que é desconhecido, e eu a usava como a maioria. Eu não queria acreditar que minha vida ou a vida daqueles com quem me importava poderia terminar tão abruptamente e para sempre. Mas acabei deixando de ir à igreja, para desgosto de minha mãe muito religiosa, porque sabia que era uma falsa esperança. Não estava me aproximando de nada.

Escrevi sobre religião para tentar dar sentido a isso, e tentei conciliar os aspectos positivos das religiões que eu podia ver com as partes negativas e contraditórias igualmente evidentes, mas não consegui. Nenhuma religião tinha as respostas para as perguntas morais que eu tinha, e vi muitas religiões fazendo mais mal do que bem ao dar falsas esperanças às pessoas que só queriam as respostas como eu. Então abandonei meu livro sobre religião e comecei a aprender mais sobre ciência, método científico e descobertas científicas ao longo de nossa história.

Eu tinha certeza de que as respostas estariam fortemente enraizadas na ciência, e eu queria aprender sobre cada pedaço da história, desde o Big Bang até o presente. Aprendi como o universo muito jovem evoluiu e eventualmente formou estrelas, sistemas solares, Terra e vida. Também estudei a evolução da vida na Terra desde seu início há cerca de 3,85 bilhões de anos até o presente. Estudei a evolução humana, o desenvolvimento de ferramentas, linguagem, agricultura e governo.

Minha pesquisa sobre cosmologia, leis físicas, história da Terra e história humana primitiva me deu uma perspectiva. Aprendi cedo na vida que há consistência no universo, e o universo obedece às mesmas leis desde quase imediatamente após o Big Bang, cerca de 13,7 bilhões de anos atrás. Isso torna previsível o futuro fora da influência humana. Independentemente do impacto humano, positivo ou negativo, não há nenhuma maneira conhecida de quebrar as leis físicas. Isso significa que não pode haver um guardião universal da ordem moral. Mas isso não é motivo para se preocupar. Na verdade é positivo. O universo tem que se comportar de maneira consistente e previsível, caso contrário, viveríamos com medo constante de que o universo possa se tornar intencionalmente malicioso e o caos possa ocorrer. Algumas pessoas vivem em constante incerteza porque acreditam que Deus ou o universo podem puni-las ou a suas famílias. Alguns até acreditam que Deus trará o apocalipse em algum momento devido às escrituras religiosas que fazem essas previsões como o Livro do Apocalipse no Novo Testamento e essas preocupações geralmente são muito preocupantes para esses indivíduos.

Quando descobri que a desigualdade e o sofrimento não são causados ​​apenas por forças sobrenaturais ou por Deus ou mesmo por leis físicas, mas sim em grande parte moldados por instituições criadas pelo homem, percebi que precisava restringir meu foco sobre essas instituições. Durante esse tempo, encontrei pessoas de várias esferas da vida que ajudaram a me informar sobre essas questões, como professores, psicólogos, conselheiros prisionais, políticos, dissidentes políticos, anarquistas, autores e parcelas da população em dificuldades, como moradores de rua. e viciados em drogas. O que aprendi com tudo isso é que existem quatro instituições primárias que mais nos controlam hoje. Eles são grandes governos, a concentração de poder religioso e dogma, grandes corporações internacionais (incluindo bancos) e corporativos, meios de comunicação de massa.

Foram necessários cerca de sete anos de pesquisa e redação para concluir este livro, meu terceiro. Tem sido uma longa jornada. Embora o estado do mundo seja palpavelmente sombrio, o propósito deste livro não é de forma alguma deprimir os leitores. É o contrário. Fechar os olhos para esses problemas só os torna piores. Ao estudar essas instituições, aprendemos como consertá-las e como o bem-estar das pessoas comuns, outras formas de vida e ecossistemas podem ser melhorados com tanta facilidade. Fazer isso pode ser extremamente edificante. A alternativa de ignorar o sofrimento daqueles ao nosso redor, o nosso próprio e a destruição ecológica é muito mais sombria. A próxima seção apresentará essas quatro instituições e explicará como elas moldam a humanidade. O resto do livro será uma história informal sobre seu desenvolvimento e a conclusão será dedicada a explicar como eles podem ser destruídos para o bem-estar e felicidade de todas as formas de vida e nosso planeta natal.

Índice

Uma Breve Nota ao Leitor sobre as Origens deste livro……………………………………….(3-6)

Parte Um: Introdução

1.1 Ferramentas de Controle…………………………………………………………………….(11-12)

1.2 Governos………………………………………………………………………(13-25)

1,3 Bilhões de Dólares, Corporações Transnacionais…………..…………..……………..….(26-28)

1.4 A Mídia Corporativa de Notícias……….……….………………………………………(29-33)

1.5 Religião: A Quarta e Mais Única Influência…………………………………(34-43)

Parte Dois: Uma Breve História do Dinheiro, Governo, Religião e Ciência e por que eles evoluíram

2.1 A Concepção de Ferramentas, Dinheiro, Agricultura, Governo e Religião…

2.2 Moeda Fiat Hoje, Educação e Divisão do Trabalho ……………………….

2.3 O Desenvolvimento do Pensamento e Comportamento Religioso……..………………………

2.4 Religião Organizada…………………..………………..………………………..

2.5 Religiões Abraâmicas……………………………………………………….……..

2.6 Uma Breve História da Palestina e Israel, a Ocupação Contínua da Palestina e os Crimes Contra a Humanidade Cometidos pelo Governo Racista de Israel……………..

2.7 Textos Abraâmicos …………………………………………………………………..

2.8 Imoralidade, Violência, Mito e Contradições em Textos e Comunidades Religiosas………………………………………………………………………………………………… .

2.9 Religião, Sexo, Contracepção, Aborto, Homossexualidade, Casamento, Puritanismo e Estupro pelo Clero …………………………………………………………………………………… …………

2.10 O “Problema do Mal”…………………………………………………………

2.11 O Nascimento e Desenvolvimento da Ciência e o Efeito da Religião em seu Progresso……………………………………………………………………………

2.12 As Cruzadas e a Ciência Após a Idade Média…….………………………

2.13 O Efeito da Religião na História Recente e na Educação na Presença do Conhecimento Científico………………………………………………………………………….

2.14 Conhecimento Científico, Leis de Direitos Autorais e Seus Efeitos na Disseminação do Autoritarismo…………………………………………………………………………………………….

2.15 Colonialismo na Antiguidade e o Caminho para o Imperialismo Moderno….………….…

Parte Três: O Nascimento das Corporações Modernas, Bancos, Desigualdade Econômica Crescente e Seus Efeitos no Mundo Natural

3.1 Corporações e Imperialismo……………………………………………….……

3.2 A Ascensão de Executivos Corporativos e Banqueiros na América…………………….

3.3 A aquisição corporativa e a destruição da classe trabalhadora na América por meio de resgates, incentivos fiscais para os ricos e executivos corporativos contratados para se regular no governo…………………………………………………… …………………………..

3.4 Aquecimento Global, Greenwashing, Ecocídio, o Papel do Estado Corporativo, “Organizações Sem Fins Lucrativos” Ambientais e Soluções Sustentáveis……………………………………………………………

3.5 O TPP, TTIP, TiSA, CETA e outros desastres de “livre comércio”…………………….

3.6 O Golpe do “Empréstimo” de Bilhões de Dólares e Escravidão por Dívida Disfarçado de “Ajuda Humanitária” e “Desenvolvimento” por Instituições Financeiras Internacionais……………………………

3.7 O mais rico dos ricos ………………………………………………………………..

3.8 A Bolsa de Valores: um cassino fraudado……………………………..………….

3.9 Os mais pobres dos pobres, sua saúde e gastos com recursos e serviços para salvar vidas versus gastos militares………………………………………………………………….

Parte Quatro: A Evolução da Mídia Eletrônica, Corporativa, Publicidade, Propaganda e Seus Efeitos na Humanidade

4.1 Desenvolvendo a Propaganda e Alimentando o Consumismo……………………………..

4.2 As invenções do telefone e da televisão, seu impacto na cultura e o desenvolvimento da contracultura na América …………………………………………..

4.3 A Contracultura, o Movimento dos Direitos Civis e o Movimento das Mulheres dos Anos 1960 …………………………………………………………………………………………… ………….

4.4 O Movimento dos Direitos Civis, o Conluio do Estado com a Klan, a Futilidade do P Não-Violento

Rotest Alone, uma Breve História do Controle de Armas, o Racismo de Ambos os Partidos Políticos e a Necessidade de Resistência Armada………

4.5 Viés da mídia de notícias, publicidade, telecomunicações e seus efeitos sociológicos…………………………………………………………………………………

4.6 Manipulação de mídia e vida de patentes…….……………………………….

Parte Cinco: A Guerra Seletiva às Drogas, Encarceramento e Hospitalização Involuntária: Mais Três Meios de Controle Social e Econômico

5.1 Gentrificação ……………………………………………………………………

5.2 A Real Razão da Criminalização Seletiva de Drogas….………………

5.3 Drogas e Terrorismo…………………………………….………………….…..

5.4 Analisando os atuais mercados ilícitos de ópio e cocaína, proteção e distribuição do governo dos EUA e a correlação entre PIB, rotas de contrabando, leis sobre drogas e dependência…………………………………………………… ………………………………

5.5 Analisando e Compreendendo o Mercado Lícito de Ópio e a Substância Mais Abusada na Terra……………..………………………………………………….….

5.6 Breve História da Criminalização da Cannabis nos Estados Unidos …..……………………………………………………………………………………….

5.7 Cannabis e sua eficácia como medicamento……………………………………..

5.8 Legalizando as drogas de forma responsável……………………………………..

5.9 Reformar Programas de Reabilitação como os “Doze Passos”…………………

5.10 Os Lucros e o Racismo do Trabalho Escravo nas Prisões, Prisões Privadas e as Empresas Lucrando……………………………………………………………………………………… …………..

5.11 Estupro na prisão, o mentalmente perturbado encarcerado e as consequências sociais das prisões ……………………………………………………………………………………… ……………….

5.12 A Indústria da Saúde Mental e o Compromisso Involuntário..…………………

5.13 O Experimento Rosenhan……………………………………………………

5.14 Medicação psiquiátrica, supermedicação e alternativas holísticas………..

5.15 Repensando a normalidade, insanidade e bem-estar mental ………….…………..

5.16 Questionando a Distinção entre Formas de Violência Aceitáveis ​​e Inaceitáveis ​​……..……………..………………………………………..………….

5.17 Abolição da Defesa de Insanidade e Criação de Defesas Criminais Alternativas …………………………………………………………………………………………..……

5.18 Transtorno Bipolar, TDA, Esquizofrenia, Psiquiatria Infantil e Antipsicóticos…………………………………………………………………….

5.19 Repensando Transtornos Mentais, Doenças Cerebrais, sua Relação com Doenças Corporais e Psiquiatria com Fins Lucrativos…………………………………………….……………

5.20 Crime, Punição e Grande Júri, ……………………………………………………..

5.21 “Eu temia pela minha vida” e outras desculpas que os policiais e o FBI usam para fugir de assassinato, terrorismo e armadilha………………………………………………………………… …………..

5.22 Grandes Guerras…………………………………………………………………………

Parte Seis: Guerras Globais pelo Capitalismo e Corporações e a Luta contra o “Comunismo”

6.1 Propriedade Coletiva, Controle Operário, Sindicatos, Autonomia, Anarquismo, Comunismo, Revolução Espanhola e sua Supressão pelos Impérios Capitalistas……………………

6.2 Uma Breve Explicação do Socialismo de Estado, Socialismo Libertário, Anarquismo e Comunismo, e Por Que Eles Foram Redefinidos pelos Impérios Capitalistas..……….…..

6.3 O engano e a brutalidade da União Soviética e do governo dos EUA, e sua perseguição a anarquistas, dissidentes e socialistas libertários e comunistas…….……………………………………………………… ………………………………………………………….

6.4 A Guerra da Coréia …………………………………………………………………

6.5 A Guerra do Vietnã…………………………………………………………………

6.6 A CIA, sua Devoção às Corporações Americanas, Lucro, Capitalismo de Estado e Socialismo Esmagador: Da Operação PBFORTUNE à Operação Ajax à Operação Condor à Baía dos Porcos……………………………………………… ……………………….…..

6.7 Guerras do Petróleo ………………………………………………………………….……..

6.8 O Caso Irã-Contras ……………………………….…………………………

6.9 A Guerra do Golfo Pérsico e as Guerras Seguintes no Afeganistão e no Iraque ………………………………………………………………………………….

6.10 Governos, Guerra, Assassinato, Terrorismo, Eufemismos na Propaganda do Estado Corporativo e Padrões Duplos…………………………………………………………….

6.11 A Privatização da Guerra e as Prisões Militares e de Campo Negro …………

Parte Sete: Soluções

7.1 Destruição do que está nos destruindo……………………………………………………….

7.2 Recuperando a Riqueza Roubada do Mundo….…..…….………………….

7.3 Renaturalizando, Reorganizando e Reconstruindo de Baixo para Cima para as Necessidades Humanas e Ecológicas.

7.4 O que podemos fazer individualmente?………………………………….………..….

7.5 Palavras finais………………………………………………………………………

Uma pequena lista de instituições de caridade, serviços e recursos gratuitos…………………………..

Notas……………………………………………………………………………………………………….

Citações………………………………………………………………………………

(Parte um)

Introdução

1.1 Ferramentas de Controle

Entre as características mais comuns de quase todos os estados que já existiram estão vastas desigualdades socioeconômicas, que ainda existem em extremos perturbadores, mesmo nas mesmas regiões. Beverly Hills, por exemplo, conhecida por sua riqueza e suas luxuosas mansões burguesas, fica a apenas 14 milhas de distância dos extensos guetos de L.A. destruídos pela violência e pela brutalidade policial. Esses tipos de desigualdade são amplamente cultivados pelas quatro instituições primárias que nos controlam: governos, instituições religiosas hierárquicas, mídia corporativa e corporações transnacionais mais amplamente. Embora essas instituições tenham tido alguns efeitos positivos sobre a mundo, eles são os principais responsáveis ​​pela globalização e capitalismo em suas formas mais dominantes e todo o sofrimento que vem com eles.

Há imensa beleza e valor no mundo, e eles devem ser preservados. Mas essas instituições não veem nada além de lucro na beleza natural da Terra. Eles procuram explorar ou extrair todos os recursos naturais do mundo, incluindo pessoas e outras formas de vida, simplesmente na tentativa de satisfazer sua ganância insaciável. Para que a equidade seja mais do que apenas um conceito abstrato, essas ferramentas de controle devem ser destruídas e sistemas muito diferentes de organização e estilos de vida voluntários e horizontais devem se espalhar para atender às necessidades humanas e ecológicas.

A globalização é a extensão das relações sociais e econômicas em todo o mundo. Sistemas complexos de comunicações, transporte e comércio achataram o mundo e aceleraram enormemente a globalização. Se as relações socioeconômicas fossem estendidas mundialmente da maneira mais responsável, isso traria grandes benefícios. Relações iguais, justas e pacíficas entre todas as pessoas poderiam ser estabelecidas. As fronteiras (que deveriam ser abolidas junto com as patrulhas de fronteira) e os idiomas não teriam que ser limites para a livre troca de informações e ideias. Mas isso acontece principalmente por causa de alguns atores egoístas que entendem mal as pessoas. A globalização foi impulsionada principalmente por um desejo de conquista e controle econômico, o que contribuiu para essas condições desiguais. A maior parte do comércio global também é literalmente impulsionada por aviões, navios, trens, caminhões e outros veículos que queimam combustíveis fósseis, que contribuem para um dos problemas mais sérios que enfrentamos, a perturbação climática antropogênica. A globalização foi tão glorificada que muitos esqueceram a importância de interagir com nossos vizinhos, melhorar nossos próprios bairros e apoiar organizações locais. Em vez disso, muitos simplesmente compram os produtos mais baratos possíveis feitos em fábricas do outro lado do mundo.

Além de “ser local”, a especialização e a divisão do trabalho inerentes ao capitalismo de estado tornam a sustentabilidade e a autoconfiança quase impossíveis. Os alunos vão para a faculdade para estudar uma matéria por anos e produzir toneladas dela. A concorrência, portanto, é acirrada, há poucos motivos para colaborar, e há um forte incentivo para continuar produzindo o que for treinado para produzir mesmo que não haja demanda ou necessidade (porque não somos treinados ou licenciados para fazer qualquer outra coisa e nossa sobrevivência depende de continuar a vender o que formos treinados para fazer ou fazer). Em vez disso, as pessoas podem estudar muitos assuntos e produzir tudo o que precisam, reconectando-se com a terra, afastando-se do capital e alcançando a autossuficiência. As instituições que controlam não querem isso porque querem que sejamos dependentes delas e acreditam que “precisamos” delas. Além de “ser local”, a especialização e a divisão do trabalho inerentes ao capitalismo de estado tornam a sustentabilidade e a autoconfiança quase impossíveis. Os alunos vão para a faculdade para estudar uma matéria por anos e produzir toneladas dela. A concorrência, portanto, é acirrada, há poucos motivos para colaborar, e há um forte incentivo para continuar produzindo o que for treinado para produzir mesmo que não haja demanda ou necessidade (porque não somos treinados ou licenciados para fazer qualquer outra coisa e nossa sobrevivência depende de continuar a vender o que formos treinados para fazer ou fazer). Em vez disso, as pessoas podem estudar muitos assuntos e produzir tudo o que precisam, reconectando-se com a terra, afastando-se do capital e alcançando a autossuficiência. As instituições que controlam não querem isso porque querem que sejamos dependentes delas e acreditam que “precisamos” delas.

Os problemas mais significativos com as instituições que controlam é que elas se tornaram muito concentradas, poderosas e onipresentes, suas ambições são intermináveis ​​e sua direção é determinada principalmente por pequenos grupos de famílias e indivíduos ricos, poderosos e extremamente arrogantes e preconceituosos. Essas pessoas, às vezes chamadas de 1%, a burguesia ou a “elite econômica”, extinguem os aspectos mais positivos dessas instituições, como políticos honestos e ideologias religiosas que promovem o bem-estar de todos. As pessoas mais poderosas e ricas não querem igualdade socioeconômica porque ganham dinheiro com a desigualdade.

Como as outras instituições que nos controlam, os poderes religiosos também se tornaram globais. O cristianismo e o islamismo se espalharam para quase todos os países do mundo e 84% do mundo era religioso em 2010, de acordo com o Pew Forum on Religion & Public Life. A população religiosa cresceu tanto porque a religião nos é imposta. A religião pode ser um conforto para muitos, mas o mundo também é dilacerado por ela. As convicções religiosas muitas vezes separam as pessoas com crenças diferentes e profundamente arraigadas, e é uma das causas mais comuns de guerra. O extremismo religioso ainda impulsiona a limpeza étnica e o genocídio até hoje, especialmente na África e no Oriente Médio. Infelizmente, quando Alguns missionários religiosos bem-intencionados viajam para esses lugares para ajudar, muitas vezes acabam alimentando o conflito ao dar aos habitantes uma religião em que confiar, o que os torna alvos de extremistas e isso também pode alimentar conflitos internos. Esses missionários muitas vezes não conhecem a história por trás da doutrinação imperialista dos povos nativos e como ela espalhou violência e doenças em massa no passado. Quando as crenças sagradas (especialmente as sobre a vida após a morte) são tudo o que um grupo de pessoas tem a perder, muitas vezes elas se tornam mais inclinadas a agir de maneira extrema e irracional, e podem não sentir que sua vida significa nada se tiverem uma eternidade de bem-aventurança. esperando por eles na “vida após a morte”.

1.2 Governos

“Toda ação tem uma reação.” – Isaac Newton.

Vale a pena reconhecer que existem algumas pessoas bem intencionadas no governo. Fiz campanha para uma amiga minha, Libby Kimzey, para um cargo local antes de me tornar anarquista. Ela não ganhou, mas eu conheci e conversei com a adversária dela e gostaria que ela tivesse, mesmo que eu não acredite mais em governo. A maioria das pessoas boas no governo é puxada de uma forma ou de outra pelos interesses corporativos, o que é um dos maiores problemas do governo representativo. “O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente”, como advertiu John Dalberg-Acton. Portanto, embora existam algumas pessoas no governo que se preocupam com a segurança pública e o mundo natural, elas são poucas e distantes entre si, e às vezes até fazem a vontade dos interesses corporativos sem nem perceber, porque somos todos tão poderosos influenciado pelas corporações e pelos ricos. Eles têm que operar dentro da estrutura do sistema, que é opressor e não pede o consentimento de ninguém, exceto dos governantes. É construído sobre coerção, violência, escravidão, terras roubadas e genocídio. Os políticos também precisam apelar para seus dados demográficos e, como os representantes geralmente “representam” milhões de pessoas que acreditam em ideais muito diferentes, eles geralmente precisam comprometer suas crenças para fazer isso e mentir descaradamente. Ao tentar dissimuladamente agradar a todos, eles acabam não representando ninguém. Simplesmente não há necessidade de representantes. Somos capazes de tomar decisões sobre nossas próprias vidas, e requer uma ingenuidade incrível confiar em qualquer pessoa com o tipo de poder que damos aos representantes. Alguns argumentam que os representantes são “necessários” porque as pessoas comuns não têm tempo para ler cada projeto de lei e legislação. Mas temos que nos perguntar se essas milhares de regras, regulamentos e leis com centenas ou milhares de páginas são necessárias? A vida deveria ser muito mais simples do que os estados e aqueles investidos no capitalismo a fizeram ser.

Muito do mundo é controlado pela força, ameaça de força, propaganda ou alguma combinação dos três. Essas são as principais ferramentas dos governos. Se os indivíduos não podem ser controlados pela força, a maneira mais fácil de manipulá-los é enganá-los com propaganda, e geralmente a propaganda que instila medo é a mais eficaz. Nossas opiniões são moldadas em grande parte por pessoas que nunca conhecemos e nos dizem para manter posições que vão contra nossos próprios interesses coletivos para que os super-ricos e poderosos se beneficiem. Por exemplo, muitas vezes somos avisados ​​sobre alguma ameaça implacável e até apocalíptica, para que apoiemos a luta e até abrimos mão de nossas liberdades para “derrotá-la” quando a “ameaça” é, de fato, insignificante, inexistente ou criado por nosso próprio governo em crescimento e seu zelo pelos espólios da guerra. Também nos dizem que os cortes de impostos para os ricos são “bons para a classe trabalhadora” por causa do “efeito trickledown”, que nada mais é do que propaganda vil e risivelmente incoerente promovida pelos super-ricos. Os super-ricos (bilionários) estão mantendo e agravando a maioria das desigualdades do mundo. Eles são os criadores dos trabalhos mais destrutivos e exploradores. Mas eles querem nos convencer de que impostos pesados ​​sobre suas rendas para lucrar com os pobres de alguma forma prejudicariam os pobres quando apenas prejudicam os lucros dos super-ricos. Espera-se que confiemos que, ao aumentar as riquezas dos super-ricos, eles de alguma forma se espalharão para o resto de nós e que isso deve ser mais eficaz do que simplesmente pegar sua riqueza e redistribuí-la entre as pessoas comuns.

Das quatro forças que nos controlam, os governos podem ter os efeitos mais evidentes sobre as pessoas. Os governos deveriam controlar a produção e as pessoas para o bem comum, mas claramente não o fazem. Praticamente todos os governos toleram o uso da força para controlar pessoas não-violentas, pois vêem a força como uma ferramenta muito necessária, e a maioria dos estados rotula os dissidentes e críticos de suas ações de “criminosos” ou mesmo “terroristas”. Quando os governos se baseiam na conquista, no genocídio, no furto e na exploração da terra e na opressão das pessoas, a única autodefesa legítima é dirigida contra eles. A violência é muitas vezes a primeira e mais popular opção que os governos tomam. Eles não fazem quase nada para deter a agressão e reduzir a vontade de “crime” e violência, e cometem os maiores crimes de todos.

A polícia americana matou cerca de 1.100 pessoas apenas em 2014, quase o dobro do número de mortos por atiradores em massa desde 1982,1 mas a mídia corporativa passa muito mais tempo falando sobre atiradores em massa e controle de armas para pessoas comuns. Os americanos têm 58 vezes mais chances de serem mortos por um policial do que por um terrorista.2 De acordo com dados do FBI, em 2008, um total de 14.180 americanos foram assassinados e a população dos EUA em 2008, segundo o US Census Bureau, foi de 304,1 milhões. Naquele mesmo ano, havia cerca de 765.000 policiais juramentados com poderes para prender nos Estados Unidos de acordo com um censo do Bureau of “Justice”3 e pelo menos 629 assassinatos por policiais4, (uma estimativa conservadora), o que se traduz em uma taxa de homicídio de 82,22. por 100.000 policiais e apenas 4,4 por 100.000 membros do público. Portanto, a polícia que deveria “proteger e servir” assassinou mais de 18 vezes mais pessoas do que cidadãos em 2008. Naquele ano havia um policial para cada 397,51 pessoas, perfazendo cerca de 0,251% da população total. Ou seja, esse 0,251% da população composta por policiais foi responsável por cerca de 4,435% de todos os assassinatos. Suas vítimas são principalmente as pessoas mais vulneráveis ​​da sociedade, como viciados, pessoas de cor, pobres, dissidentes e mentalmente perturbados. Um relatório do Escritório de Pesquisa e Relações Públicas intitulado “Negligenciado no subestimado: o papel da doença mental em encontros fatais de aplicação da lei” descobriu que pessoas com doenças mentais têm 16 vezes mais chances de serem mortas pela polícia do que outros civis. O relatório afirma: “Por todas as contas – oficiais e não oficiais – um mínimo de 1 em cada 4 encontros policiais fatais acaba com a vida de um indivíduo com doença mental grave. Nesse ritmo, o risco de ser morto durante um incidente policial é 16 vezes maior para indivíduos com doença mental não tratada do que para outros civis abordados ou parados por policiais”5

Além disso, em 2013 havia mais de dez milhões de pessoas na prisão, e um quinto estava preso nos Estados Unidos, apesar do fato de os Estados Unidos conterem apenas 3% da população total do mundo.6 Os Estados Unidos têm, de longe, a maior população carcerária do mundo. . Em apenas quarenta estados dos EUA, Distrito de Colúmbia, Guam e Porto Rico, em 2014, havia pelo menos 7,8 milhões de americanos com mandados pendentes,7 (3,9 milhões dos quais eram procurados por delitos menores), incluindo impressionantes 16.000 dos 21.000 total de residentes8 de Ferguson, Missouri, local de infindáveis ​​abusos policiais e terror. Isso não apenas devasta os encarcerados, mas suas famílias, assim como cinco milhões de crianças nos EUA, tiveram pelo menos um dos pais na prisão9 e, em 2010, 2,7 milhões de crianças (cerca de 3,6% de todas as crianças nos EUA) tiveram um dos pais na prisão. 10 Naquele mesmo ano, 1,8% das crianças brancas tinham um pai encarcerado, enquanto 11,4% das crianças negras (cerca de 1 em cada 9) tinham um pai encarcerado. Pais encarcerados podem perder seus filhos por causa da “Lei de Adoção e Famílias Seguras”, que exige que as agências estaduais rescindam os direitos dos pais se uma criança estiver em um orfanato por 15 dos 22 meses anteriores. 73.000 pais perderam o direito de criar seus filhos somente em 2000 devido a esta lei. Apenas Nebraska, Novo México e Oklahoma têm estatutos que impedem isso.

A prisão é a escravidão moderna. No entanto, a velha instituição da escravidão formal ainda está viva e bem também, ao contrário da crença popular, e é defendida por vários governos. De acordo com a Walk Free Foundation, havia, de fato, 21-29 milhões de escravos em todo o mundo em 2014, predominantemente em países como Índia, China, Paquistão, Nigéria, Mauritânia (onde 4,3% da população é escravizada) e Costa do Marfim.11 O governo da Mauritânia esperou até 2007 para finalmente criminalizar a escravidão e quase não ajudou. A escravidão também aumentou na Líbia nos últimos anos, pois os refugiados que procuram escapar de ditaduras na África como a da Nigéria são vendidos por contrabandistas que lhes prometem viagens seguras por um preço.12 Eles são geralmente capturados pelas autoridades líbias e deportados de volta para casa sem nada. De acordo com o jornalista investigativo Benjamin Skinner, há mais escravos hoje do que em qualquer momento da história humana e os escravos também são mais baratos do que nunca. Em sua pesquisa, lhe ofereceram uma escrava sexual de dez anos por US$ 50 no Haiti, onde há 300.000 crianças escravas de acordo com o UNICEF.13

A maioria de nós que vive em países autoproclamados “livres” não acredita que nosso governo seja uma influência maliciosa porque os governos nos fazem acreditar que precisamos ser protegidos das próprias pessoas e problemas (como criminosos e pobreza) governos e super- rico ajuda a criar. A maioria dos governos ajuda a produzir e manter esses problemas criando e mantendo enormes desigualdades econômicas por meio da exploração das classes trabalhadoras e o “crime” segue naturalmente. Os governos também abrigam a maioria dos criminosos ele ou ela pode punir o réu com a sentença mais severa. Policiais, promotores, guardas prisionais e soldados também tomam decisões todos os dias sobre como lidar com as pessoas com pouca ou nenhuma responsabilidade, supervisão ou consideração pela lei real, muitas vezes. Não existe “lei”. São meras palavras em pedaços de papel, mas como são aplicadas, se é que são aplicadas, é uma questão de critério pessoal das pessoas no governo, por isso é muito mais caótico do que muitos imaginam. E a solução não são pessoas “melhores” para preencher esses papéis, porque esses papéis, essas posições de imenso poder, são os problemas centrais. Ninguém pode ou deve ser confiável com esse tipo de poder. A maioria das pessoas com “a lei” do seu lado a usa como mera desculpa para fazer o que quiser sem consequências. Os policiais decidem o que constitui “suspeita razoável” e os juízes têm o poder de manter ou negar esses julgamentos. Eles literalmente fazem “a lei” à medida que avançam. Eles também assumem erroneamente que o medo deles constitui “suspeita razoável” porque eles estão divorciados da realidade. Pessoas inocentes são presas, assediadas, espancadas e mortas pela polícia o tempo todo. É por isso que as pessoas os temem. Mas eles assumem que as pessoas os temem porque eles têm “algo a esconder”. Enquanto isso, os medos dos policiais são sempre considerados racionais no tribunal e uma causa “legítima” para assassinar outras pessoas. A desculpa “eu temia pela minha vida” é suficiente para exonerar um policial no tribunal de assassinato. Mas um cidadão nunca poderia usar essa defesa contra um policial no tribunal, embora os cidadãos tenham muito mais motivos para temer os policiais.

Quando o ego frágil dessas figuras de autoridade é desafiado, sua reação geralmente é quebrar a lei para conseguir o que querem. Como exemplo, em junho de 2014, depois que o juiz do condado de Brevard, John C. Murphy, exigiu que o defensor público assistente, Andrew Weinstock, renunciasse ao direito de seu cliente a um julgamento e ele recusou, o juiz exigiu que ele se sentasse. Quando Weinstock não se sentou, o juiz disse: “Se você quer lutar, vamos lá atrás e eu vou bater na sua bunda”. O Juiz então lhe deu dois socos no rosto. Embora o juiz tenha sido demitido, a briga exemplifica o absurdo de ter esses “vácuos legais” nos confins dos tribunais e, mais amplamente, toda a ideia de leis e “autoridade suprema” que não podem ser questionadas por ameaça de prisão ou morte. Eles acreditam que podem fazer o que quiserem porque estão “no comando”. Os policiais no tribunal não intervieram inicialmente porque trabalham para o juiz. Depois que o juiz voltou a entrar na sala, os demais presentes na sala do tribunal aplaudiram, ilustrando a natureza bajuladora e bajuladora do público.

Tribunais superiores como o Tribunal Penal Internacional (TPI) e o Tribunal Africano dos Direitos Humanos e dos Povos, que podem processar políticos e outros no estado por crimes, raramente funcionam porque suas decisões não são cumpridas. Por exemplo, em 4 de março de 2009, o TPI emitiu um mandado de prisão para Omar al-Bashir, ditador genocida do Sudão por crimes contra a humanidade, mas o governo do Sudão simplesmente ignorou o mandado, ilustrando a ineficácia dos tribunais em geral. Todos os julgamentos são uma farsa. Eles só resultam em ação quando o governo quer e tem força e recursos para fazer cumprir as decisões.

Quando o conceito de autoridade é colocado em prática, ele sempre destrói a responsabilidade porque a responsabilidade sempre é passada dos superiores para os subordinados e vice-versa. Todos os envolvidos se absolvem da responsabilidade porque dizem “o problema é o sistema” e “estou apenas fazendo meu trabalho para sobreviver”. Algumas das desculpas mais comuns são “Estou apenas seguindo ordens”, “Estou tentando fazer o bem”, “Estou tentando mudar o sistema por dentro”, “Se eu desistir, alguém pior tomará meu lugar, ” e “Só estou tentando sustentar minha família”. Mas eles continuam contribuindo para o sistema e agem como se não tivessem outras opções, o que é uma mentira flagrante. Quando Joe, o encanador do seu bairro, estraga tudo, ele é totalmente responsabilizado. Mas quando um chamado “oficial de paz” ou outra pessoa do governo comete um erro, isso é chamado de “erro profissional” que ele cometeu “sob ordens” que a maioria da sociedade atribui ao “estresse do trabalho” porque o “ oficial de paz” não é um indivíduo; ele representa a instituição de governo que os estatistas acreditam que deve ser defendida, mesmo que isso signifique encobrir os crimes de indivíduos neles. As ações mais hediondas já cometidas na história foram realizadas por pessoas que alegavam estar “apenas seguindo ordens”, como os pilotos que lançaram bombas nucleares sobre Nagasaki e Hiroshima ou os oficiais dos campos de internação japoneses comandados por seus “superiores”. Porque eles estavam apenas ouvindo seus comandantes, eles foram capazes de se absolver de toda a responsabilidade por suas ações. Seus comandantes muitas vezes faziam o mesmo, argumentando que apenas davam os comandos, mas na verdade não faziam nada além disso. Essa hierarquia que permite tantas trocas intermináveis ​​existe para que ninguém se sinta responsável pelas atrocidades da guerra e do terror de Estado. Como Peter Gelderloos explica em seu livro The Failure of Nonviolence, “Na maioria das instituições, o grau de separação entre as ações e as consequências é muito maior. Não há um único chefe e vítima do outro lado da porta, mas várias camadas de autoridade para quem a responsabilidade pode ser passada, e as consequências geralmente estão fora da vista e da mente.” (Gelderloos, Peter: The Failure of Nonviolence, pg. 126).

A última coisa que precisamos são egomaníacos arrogantes jurados ao poder sob o pretexto de “legitimidade, direito divino e caráter moral”. A ideia é infantil. Não há nada democrático sobre representação ou autoridade. No entanto, praticamente todos os governos representativos se autodenominam “democracias”. Dar a uma pessoa a capacidade de sentenciar milhares à prisão perpétua ou ser espancado, estuprado ou morto é antitético à democracia direta.

Existe esse terrível mito de que aqueles de nós do chamado “primeiro mundo” vivem em “democracias”. Mas a maioria de nós nunca dá o consentimento do governo para governar nossas vidas. Nascemos em terras governadas e não podemos escolher onde nascer, é claro. Não somos nem mesmo capazes de dar consentimento (legalmente) quando nascemos e, no entanto, ainda somos imediatamente governados por uma miríade de leis e pelas inclinações daqueles que têm a lei do seu lado. E sair do país custa dinheiro que muitos não têm. Mesmo quando podemos votar, nos Estados Unidos nossos votos nas eleições presidenciais não fazem diferença por causa do colégio eleitoral, leis racistas de “fraude eleitoral” (que são predominantemente usadas contra comunidades negras, como em Indiana, onde em 2016 Connie Lawson, a Indiana O secretário de Estado ordenou que as tropas estaduais intimidassem os eleitores negros em suas casas e invadissem uma operação de registro destinada a registrar minorias porque algumas das informações dos eleitores supostamente não correspondiam aos registros estaduais), gerrymandering, a influência dos super PACs (comitês de ação política ), doações corporativas ilimitadas, a dificuldade de se registrar para votar e o fato de 6,1 milhões de americanos estarem proibidos de votar devido a condenações criminais14. O colégio eleitoral é possivelmente o pior de todos esses fatores porque o voto popular é tornado irrelevante pelo colégio eleitoral. Os americanos podem votar esmagadoramente em um candidato, mas esse candidato ainda perderá se o colégio eleitoral decidir escolher outro. Alguém fora do estado pode dizer que apoia o governo, mas isso é irrelevante para o estado. Eles governam com ou sem a aprovação do público. Muitas pessoas comuns se opõem, mas o governo não se importa, a menos que essas pessoas realmente interfiram nas operações do estado. Os governos são como uma força alienígena que nos aterroriza sem fim. Eles roubam nosso dinheiro através de impostos e depois agem como se fossem caridade por doar alguns cupons de alimentos. O mito de que eles governam com nosso consentimento ou de que qualquer governo de alguma forma se assemelha a uma “democracia” é uma das mentiras mais terríveis e onipresentes que parecem não morrer. Nenhum governo dá liberdade ou direitos a ninguém. Os governos só podem tirar a liberdade e os direitos. Nenhum governo, não importa como esteja estruturado, poderia garantir a segurança de alguém. Nada pode. Mas como muitos não querem viver na incerteza, eles acreditam no mito de que os governos os mantêm seguros. Os governos querem que você seja grato por não tê-lo sequestrado e jogado em uma jaula. Mas apenas os bajuladores obsequiosos e lambedores de botas são gratos aos regimes fascistas que mostram relativa misericórdia.

Embora o colégio eleitoral seja relativamente novo, não é como se a democracia tivesse morrido assim que foi introduzida. Assim que as Américas foram colonizadas pelos europeus, a autonomia morreu neste continente. Na Convenção Constitucional, James Madison disse que o maior imperativo do governo é “proteger a minoria opulenta da maioria” porque os ricos são o “conjunto de homens mais responsáveis”. Os demais presentes concordaram. A Constituição concentrava o poder do governo no Senado, que na época não era eleito. Ele foi escolhido por ricos proprietários e serviu como uma espécie de colégio eleitoral. Não devemos esquecer que este país, assim como o resto dos estados da América do Norte, Central e do Sul foram construídos sobre escravidão, terras roubadas e genocídio de povos indígenas. De fato, doze presidentes dos EUA (George Washington, Thomas Jefferson, James Madison, James Monroe, Andrew Jackson, Martin Van Buren, William Henry Harrison, John Tyler, James K. Polk, Zachary Taylor, Andrew Johnson e Ulysses S. Grant) escravos possuídos. Os colonizadores tentaram justificar esses atos desumanizando os indígenas. George Washington, um “pai fundador” amplamente reverenciado na América, referiu-se aos povos indígenas como “selvagens” e “animais de rapina” em uma tentativa de justificar mais colônias. zação: “A extensão gradual de nossos assentamentos certamente fará com que o selvagem como o lobo se aposente; ambos sendo animais de rapina, embora difiram em forma.” 15

Embora nem todos os políticos sejam intencionalmente maliciosos, todos fazem coisas maliciosas porque são controlados principalmente pelos super-ricos e pela instituição do governo. Os governos fazem as pessoas acreditarem que cada uma de suas leis é justa e que suas guerras sempre valem a pena serem combatidas e até admiráveis. Eles também tentam nos convencer de que as pessoas que eles trancam em jaulas são tão inerentemente más quanto aquelas contra as quais estamos lutando no exterior. Mas a maior parte disso é feito apenas para beneficiar nossos governantes ideológicos e financeiros, e as condições abomináveis ​​das prisões e nossos governos que glorificam a violência sancionada pelo Estado criam os “criminosos” mais brutais.

A América ainda é o império e a ameaça número um do mundo. O governo dos EUA faz guerra a todos que ousam se opor à sua hegemonia. É um fato que este governo financia e comete mais terror do que qualquer outro país do mundo. De acordo com o Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo, em 2015 os EUA gastaram US$ 597 bilhões em gastos militares, quase tanto quanto os próximos oito maiores gastos militares combinados (a China gastou US$ 215 bilhões, a Arábia Saudita gastou US$ 87,2 bilhões, a Rússia gastou US$ 66,4 bilhões, o O Reino Unido gastou US$ 55,5 bilhões, a Índia gastou US$ 51,3 bilhões, a França gastou US$ 50,9 bilhões, o Japão gastou US$ 40,9 bilhões e a Alemanha gastou US$ 39,4 bilhões), dinheiro suficiente para acabar com a fome, a falta de moradia e a desidratação no mundo e para financiar assistência médica e educação globalmente. Se o orçamento do Pentágono, segurança interna, programas nucleares no DoE, benefícios para veteranos e agências de inteligência forem incluídos na contagem dos gastos militares dos EUA, o número aumenta para impressionantes US$ 900 bilhões por ano.16 Em 2009, o USG (US governo) tinha soldados em 148 países.17 Em 2010, havia 4.999 instalações militares nos EUA, seus territórios e no exterior, de acordo com o Relatório de Estrutura de Base de 2010 do Pentágono. Existem 50.000 soldados americanos apenas no sul da Alemanha, embora seja seguro assumir que Hitler não é mais uma ameaça. (Ele se suicidou em 1945). Em 2011, o governo dos EUA vendeu armas para 172 países18, (mais de 50% do total global de armas vendidas), incluindo países repletos de terrorismo governamental e brutalidade policial, como Sudão, Arábia Saudita, Congo, Egito, Israel, México, Níger, Nigéria, Paquistão, Serra Leoa, Somália, Turquia e Ucrânia. Os militares dos EUA atacam abertamente hospitais, escolas, mesquitas, centros da ONU e outras infraestruturas civis no Afeganistão, Síria, Paquistão, Iêmen e vários outros países e têm a ousadia de culpar seus alvos por usar “escudos humanos”. O governo dos EUA opera prisões clandestinas da CIA como a Baía de Guantánamo em Cuba, Stare Kiejkuty na Polônia (anteriormente um posto avançado para o serviço de inteligência nazista) e prisões clandestinas como essas em solo americano como Homan Square em Chicago, onde seres humanos estão sendo mantidos, humilhados, confinados, estuprados e torturados sem julgamento, representação ou a luz do dia, a maioria nunca tendo cometido um crime.

O governo dos EUA financia ditaduras como a “Família Real” da Arábia Saudita, que oferece recursos valiosos para empresas americanas como petróleo e executa líderes democraticamente eleitos como Patrice Lumumba. (Em dezembro de 2013, o Departamento de Estado dos EUA admitiu que o presidente Eisenhower autorizou seu assassinato e seus assassinos receberam financiamento e armas da CIA) quando estão no caminho dos lucros corporativos da América. Os EUA alimentaram genocídios em todo o mundo no Sudão do Sul, Níger, Chade, Nigéria, Congo, Timor Leste, Iêmen, Vietnã, Coréia, Afeganistão, Síria, Iraque, Palestina e muitos outros países. Cada presidente dos EUA na história cometeu crimes contra a humanidade.

A polícia e os guardas prisionais dos EUA detêm, assediam, espancam, torturam, encarceram e matam sem o devido processo. Sua palavra é sempre confiável nos tribunais. Promotores e juízes selvagens e sanguinários se aliam a policiais assassinos. Quase nenhum é condenado. O Departamento de Defesa dos EUA é o maior empregador do mundo, com 3,3 milhões de funcionários, e ser um soldado americano é um dos trabalhos mais populares do planeta, apesar de poucos ganharem com isso. Desemprego, falta de moradia, suicídio, transtornos mentais (como TEPT, depressão grave, ansiedade e assim por diante) e lesões incapacitantes são muito comuns entre os veteranos. Enquanto homens e mulheres estiverem dispostos a se sacrificar como bucha de canhão para expandir a hegemonia dos EUA, o império continuará vivo. Soldados e pessoas que pensam em ingressar nas forças armadas precisam entender que o estado não se importa com eles. Como exemplo, durante a Guerra do Vietnã, o governo Kennedy com a participação do Reino Unido, Canadá e Austrália conduziu o Projeto 112, um experimento biológico e químico em que sarin, VX, e. coli, gás lacrimogêneo e outros agentes biológicos foram pulverizados em Porton Down no Reino Unido, Ralston Canadá e 13 navios de guerra dos EUA para testar se Os agentes nervosos resultariam em paralisia temporária. 60.000 soldados foram pulverizados com esses venenos nesses experimentos, que também eram conhecidos como Perigo e Defesa a Bordo. O estado simplesmente vê os soldados e o resto de nós como ratos de laboratório e engrenagens descartáveis ​​da máquina.

Como afirmado, os impérios das Américas (Norte, Central e Sul) foram todos construídos sobre escravidão, terras roubadas e genocídio. Somente durante o século 16, 100 milhões de nativos de cortar o coração foram exterminados por colonos, colonos e impérios governamentais europeus e americanos, incluindo 10 milhões na América do Norte, 30 milhões na América Central e 50 a 70 milhões na América do Sul. .19 A maioria dos que sobreviveram foi escravizada ou forçada a entrar em reservas (milhares de Cherokee foram forçados a campos de concentração antes de serem forçados à Trilha das Lágrimas) e internatos indígenas onde sua cultura e identidade foram destruídas e eles foram forçados a falar inglês e proibidos de cantando todas as canções indígenas sob pena de espancamento ou estupro. A economia das Américas também foi construída pelos escravos africanos sequestrados de sua terra natal, assim como pelo trabalho escravo de muitas outras raças. Nossas leis e prisões atuais refletem essa história. As minorias hoje constituem uma parcela desproporcionalmente grande da população carcerária. Em 2008, um em cada 36 homens hispânicos adultos nos Estados Unidos estava atrás das grades e um em cada nove homens negros (20-34 anos) também foi preso.20 (Além disso, uma em cada nove pessoas na prisão está cumprindo pena frase.)

De acordo com o Bureau of Justice Statistics, em 2008, 3.161 de cada 100.000 afro-americanos de todas as faixas etárias estavam na prisão, enquanto apenas 487 de cada 100.000 brancos estavam presos. população, embora os negros e hispânicos consistam em aproximadamente um quarto da população dos EUA. Esses números desproporcionais se devem principalmente ao racismo em nossas leis, sistemas judiciais, departamentos de polícia e agências federais, bem como à pobreza herdada em comunidades com muitas minorias. Essas discrepâncias também se devem às expectativas injustas que muitas pessoas têm das minorias. O que vende na mídia corporativa convencional geralmente não é uma história de sucesso sobre uma minoria que trabalhou duro para construir um negócio ou uma organização sem fins lucrativos. Em vez disso, histórias sobre minorias vendendo drogas, cafetões, praticando esportes profissionais ou fazendo rap vendem. O caminho para o sucesso das minorias é intencionalmente muito estreito. (E mesmo em uma forma de arte como o rap, há uma exploração massiva. Rappers falando sobre questões reais não recebem a maioria dos contratos ou tempo de antena. Eles são uma minoria. As faixas de rap “Top 40” são em sua maioria apenas irracionais, ridiculamente burguesas, e misógino.) Alguns internalizam essas expectativas e essa visão estreita de sucesso, acreditando que não podem fazer mais nada. Grupos minoritários também se voltam uns contra os outros pelo Estado e pelas corporações, aumentando ainda mais a taxa de homicídios de minorias da mesma forma jingoista como o Estado coloca brancos contra minorias. O estado argumenta que o governo não é a causa dos problemas dos negros; mas sim hispânicos, muçulmanos, asiáticos ou mesmo outros negros que se deslocam em seus bairros são os culpados.

Os “criminosos” são produtos da sociedade como todos os outros. Eles são moldados pelos ambientes em que são criados. Os governos e outras instituições que nos controlam não gostam de admitir isso porque querem “outros” ou desumanizá-los para que possam tentar justificar uma guerra sem fim contra eles. de resolver as desigualdades socioeconômicas onipresentes que causam o crime criado pelos super-ricos e suas instituições opressoras.

O crime destrutivo pode ser evitado reduzindo a pobreza, o desespero, a ignorância e o sofrimento, que são criados pelas mesmas instituições que tentam justificar o uso da violência e do encarceramento em massa como forma de “conter” o crime. Além disso, também há crimes que são positivos para cometer, como não pagar impostos, roubar de bilionários para alimentar os pobres, sabotar as operações de corporações ecocidas, esquivar-se do recrutamento ou ajudar imigrantes a cruzar a fronteira ilegalmente. O foco não deve ser a redução da criminalidade, mas a eliminação de leis que criminalizam o comportamento e fomentam o que há de pior em nós.

Apesar dos equívocos populares sobre os prisioneiros, muito poucas pessoas vão para a prisão por crimes violentos. A maioria das pessoas presas a cada ano nos Estados Unidos e em quase todos os países são encarceradas por crimes de drogas. Das 10.797.088 prisões feitas nos EUA em 2015, mais foram feitas por crimes de drogas (1.488.707) do que por qualquer outro tipo de crime.21 (Há mais pessoas presas por crimes violentos do que por crimes não violentos, no entanto, porque os infratores geralmente são mantidos lá por muito mais tempo.) A prisão, em quase todos os casos, torna as pessoas muito mais violentas. Se não houvesse tanta violência e desigualdade infligidas por instituições poderosas, muito poucas pessoas gostariam de ser violentas.

De acordo o um relatório de 2016 da Prison Policy Initiative, setenta por cento das 646.000 pessoas encarceradas em mais de 3.000 prisões locais dos EUA ainda aguardavam julgamento e ainda não foram condenadas por um crime porque não podiam pagar a fiança. O relatório afirma corretamente que o “princípio constitucional de inocente até prova em contrário só se aplica realmente aos ricos… Usando dados do Bureau of Justice Statistics, descobrimos que, em dólares de 2015, as pessoas na prisão tinham uma renda média anual de US$ 15.109 antes do encarceramento. , que é menos da metade (48%) da mediana para pessoas não encarceradas de idades semelhantes. As pessoas na prisão são ainda mais pobres do que as pessoas na prisão e são drasticamente mais pobres do que suas contrapartes não encarceradas”,22 Pessoas consideradas inocentes após passarem um tempo na prisão antes de um julgamento ou após a reabertura de um julgamento (geralmente por causa de uma nova evidência que vem à tona ) e que passaram anos na prisão também não são oferecidas reparações ou mesmo desculpas. A presunção de inocência é um princípio jurídico que tem suas raízes no direito romano. Foi considerado essencial mesmo quando a escravidão era uma prática aceita, e o mandado de Habeas Corpus ou uma versão dele é usado pela maioria dos governos autoproclamados “democráticos” hoje, mas 90% de todos os prisioneiros na Líbia aguardam julgamento. 77,9% dos presos no Paraguai aguardam julgamento. O número é de 74,9% no Benin e 74,4% nas Filipinas. No notoriamente corrupto Congo, 73% da população carcerária aguarda julgamento. No Iêmen é de 70,1%. A Venezuela tem a segunda maior porcentagem de presos provisórios de qualquer país sul-americano, com 71,3%. Uruguai e Bolívia estão logo atrás. Mesmo Arábia Saudita, Síria, Sudão e Serra Leoa, estados incrivelmente corruptos e autocráticos, têm porcentagens mais baixas. Nos EUA, 20,3% da população carcerária aguarda julgamento. Apenas um estado em todo o mundo, a pequena ilha de Tuvalu, não tem presos provisórios.23

As pessoas no poder perseguem os “criminosos” mais agressivamente quando não estão ganhando dinheiro para os que estão no poder (e muitos criminosos não pagam impostos sobre o dinheiro adquirido ilicitamente), muitos são pegos e colocados em prisões onde são forçados a trabalhar para o poder. governo e suas corporações muitas vezes por meros centavos por hora. Simplesmente não ter dinheiro ou casa é suficiente para ser rotulado como criminoso em muitos países. Por exemplo, o Conselho Hackney de Londres escreveu uma ordem chamada “Ordem de Proteção do Espaço Público”, que multa os sem-teto que dormem ao ar livre em até £ 1.000 ou cerca de US $ 1.500.24 No entanto, não é apenas este bairro de Londres. O Vagrancy Act de 1824 que ainda é lei criminaliza dormir nas ruas e mendigar em toda a Inglaterra e País de Gales. Existem leis semelhantes em várias cidades dos EUA, proibindo comer, dormir, pedir esmolas e até sentar do lado de fora.

A maioria das prisões são lugares de punição, não de reforma. Os governos alegam que o objetivo da prisão é proteger as pessoas, mas estão fazendo o oposto, mantendo os prisioneiros em jaulas onde eles só se tornam mais anti-sociais, raivosos e conectados com outros criminosos, o que faz com que a maioria deles seja uma ameaça maior à sociedade quando são liberados. A reincidência é tão alta em grande parte porque as prisões não querem reformar ninguém. A guerra também é frequentemente travada por ganhos financeiros e as mesmas táticas de medo são usadas para obter apoio público para isso. As pessoas são coagidas a lutar e gastar, porque é irracional fazer mal a outra pessoa que não está prejudicando você, assim como é irracional gastar dinheiro e consumir sem pensar, e o medo geralmente é a ferramenta usada para nos coagir a esses comportamentos. Corporações transnacionais de bilhões de dólares também incutem esse medo e lucram ainda mais do que os governos.

1,3 bilhão de dólares, corporações transnacionais

Bilionárias corporações transnacionais exercem grande parte de sua influência por meio de governos com seus lobistas corporativos e grandes doações para campanhas políticas. Estamos cercados por corporações, seus produtos, propagandas, lixo e destruição porque os governos permitem que isso aconteça. A menos que você viva nas montanhas da Sibéria, os efeitos das corporações são difíceis de evitar. Nem todas as corporações são iguais, é claro, mas as mais lucrativas só se tornam tão lucrativas roubando recursos e praticando o comércio mais injusto possível. Eles comprarão (ou roubarão) recursos naturais de pessoas muito mais pobres pelo menor preço possível e pagarão a seus funcionários a menor quantidade de capital possível por seu trabalho para criar os produtos mais baratos do mercado. Isso lhes dá monopólios em certos serviços e produtos vitais, que são negados àqueles que não podem comprá-los em nosso sistema de “livre mercado”. E optar por sair desse sistema controlado pelo estado corporativo é bastante difícil quando quase tudo foi “reivindicado” como “propriedade privada”. Forrageamento, caça e agricultura (sem capital, licença para caçar ou escritura de terra) tornou-se quase impossível, e nos tornamos a única espécie na Terra que tem que pagar para viver, o que é absolutamente absurdo.

As grandes corporações não apenas ditam ao público quais produtos “precisamos” comprar. Eles imprimem dinheiro (a maioria dos bancos e impressoras de moeda são empresas privadas, não entidades governamentais) e nos deixam em dívida perpétua com sua usura, emprestando-nos suas notas impressas para produtos e serviços que não podemos pagar e cobrando taxas de juros absurdas sobre o dinheiro emprestado, então que eles podem tirar todas as nossas posses uma vez que descumprimos. Eles também nos vendem medicamentos que podem criar vícios e nos matar. Eles nos vendem alimentos não saudáveis ​​e geneticamente modificados que se recusam a rotular pulverizados com pesticidas, fungicidas e inseticidas conhecidos por causar câncer e destruir o meio ambiente, alimentos que são consumidos principalmente pelos pobres porque são os alimentos mais baratos disponíveis. Eles empurram cigarros e álcool (as maiores causas de morte evitáveis) para nós enquanto o governo prende pessoas por usarem cannabis, uma droga que não matou ninguém. Eles nos vendem diamantes de sangue, roupas costuradas por crianças em fábricas e presidiários, madeira de florestas antigas e petróleo extraído como espólio de guerra. E eles nos vendem fantasias que supostamente aliviam a solidão e a alienação esmagadoras criadas pelo capitalismo. As corporações fazem isso inundando as ondas de rádio e as ruas com anúncios invasivos que criam desejos. Eles decidem o que as pessoas querem e nos fazem temer as consequências de não possuir o que estão vendendo. Eles nos fazem sentir inadequados sem o dispositivo mais recente ou a maior casa. Eles nos fazem temer acabar sozinhos se não comprarmos um produto ou outro. Eles tentam nos fazer valorizar os produtos uns sobre os outros. Dizem-nos que, de alguma forma, todo produto é “integral” para nossas vidas “vazias” porque não estamos apenas vendendo um produto; muitas vezes nos vendem um estilo de vida ou uma identidade inteira, algo atrás do qual podemos nos esconder.

O poder corporativo está enraizado no governo. Os governos mais avançados tecnologicamente da história sempre se sentiram com direito a mais do que tinham, então colonizaram novas terras para tirar seus recursos e explorar suas culturas que eram tecnologicamente menos avançadas. Do colonialismo surgiu o imperialismo moderno e a hegemonia impulsionada pelas pessoas mais ricas e poderosas do planeta. As corporações modernas conseguiram renomear o imperialismo, então poucas pessoas reconhecem que o imperialismo é o que está sendo imposto a elas. Os professores das aulas de história costumam falar sobre os impérios históricos da Inglaterra, França, Rússia, China, Japão, Espanha, Portugal, Bélgica, EUA e assim por diante, mas eles ainda existem e estão prosperando, o que quase nunca é mencionado. Eles ainda têm, de longe, o maior poder econômico e militar, que usam para obter mais do mesmo.

Os precursores das corporações modernas foram as sociedades anônimas, que eram investimentos em conquistas coloniais financiadas pelo governo inglês. Eles tinham cartas régias e administradores com poder político e investidores que compravam ações da colônia. Os primeiros exemplos incluem Virginia, Pylmouth e Mass Bay. A British East India Company foi uma das primeiras corporações transnacionais modernas que lançou as bases para as corporações contemporâneas. No século 17, a Companhia Britânica das Índias Orientais atuou como outro ramo do governo britânico. Ele assumiu os governos das nações com seus exércitos para explorar seus habitantes, e isso acabou resultando na Fome de Bengala de 1770 que matou dez milhões de índios. A empresa também vendeu toneladas (literais) de ópio para a China, mesmo depois que o país tornou a droga ilegal. Isso causou um vício generalizado na China. Grandes corporações hoje são dirigidas pelos mesmos princípios. Eles ganham dinheiro explorando pessoas pobres e sentem que têm direito a tanto dinheiro quanto puderem, sem devolver a quem tem menos. Isso é misantropo e niilista. Algumas corporações transnacionais individuais ganham quase tanto dinheiro quanto continentes inteiros. Por exemplo, a receita do Walmart em 2010 foi de US$ 421 bilhões. Isso foi maior do que o PIB individual de cerca de 165 países oficialmente reconhecidos. Apenas cerca de 27 dos países mais ricos tiveram um PIB maior do que a receita do Walmart em 2010, e o Walmart ganhou a maior parte desse dinheiro explorando seus trabalhadores chineses e americanos mal pagos.

Esse dinheiro está ainda mais concentrado nas mãos de apenas alguns proprietários dessas corporações. De acordo com um relatório do Institute for Policy Studies, a lista da Forbes dos 400 americanos mais ricos tinha mais riqueza (um total de US$ 2,34 trilhões) do que os 61% mais pobres da nação (194 milhões de pessoas) combinados.25 O relatório também descobriu “ A Forbes 400 agora possui tanta riqueza quanto toda a população afro-americana do país – mais mais de um terço da população latina – combinada.” Outro relatório da Oxfam publicado em fevereiro de 2017 mostrou que os oito homens mais ricos do mundo possuem tanto quanto a metade mais pobre de anidade.26 O relatório também descobriu que “A renda dos 10% mais pobres aumentou menos de US$ 3 por ano entre 1988 e 2011, enquanto a renda do 1% mais rico aumentou 182 vezes mais”. A maior parte dessa riqueza está concentrada na América. Na verdade, 50% do 1% mais rico do mundo são americanos27 Para ser membro desse 1% nos Estados Unidos, é preciso ganhar pelo menos US$ 380.000 por ano. No entanto, para fazer parte do 1% mais rico do mundo, basta ter uma renda anual de US$ 34.000 (depois de impostos).

Bilhões de dólares não são feitos de trabalho duro, mas sim de recursos herdados ou roubados, corporações exploradoras e outras instituições financiadas pelo Estado. (Nenhum bilionário é verdadeiramente “feito por si mesmo”.) Isso é especialmente verdadeiro em países que têm ainda menos oportunidades do que os Estados Unidos ou nenhuma. Acumular dinheiro ou recursos necessários para sobreviver deve ser considerado sociopata quando há pessoas que morrem sem eles. Em muitas culturas, acumular riqueza e recursos extremos é elogiado e visto como louvável. Os bilionários são considerados “histórias de sucesso” inspiradoras espalhadas pela mídia porque vivemos em um mundo profundamente doente. As comunidades devem ser organizadas com base nas necessidades do planeta e das pessoas, não na ganância.

Dinheiro só significa sobrevivência porque governos e corporações privatizaram nossos meios de sobrevivência. Mas não precisamos de dinheiro. Precisamos dos recursos que ela compra, que podem ser compartilhados equitativamente (e o eram antes da invenção do dinheiro) sem qualquer propriedade privada formal. O dinheiro é apenas papel impresso. Apenas nos confunde sobre o que é realmente importante, então deveria ser abolido junto com as corporações que o acumulam e recursos. Barter, moedas sociais, economias baseadas em recursos e criptomoedas descentralizadas são mais do que suficientes para atender às nossas necessidades.

1.4 A Mídia Corporativa de Notícias

Os principais conglomerados de mídia corporativa fazem pouco mais do que incutir medo e espalhar propaganda. Especialistas abertamente partidários, políticos e cabeças falantes incutem a maior parte desse medo, mas mesmo os principais apresentadores de notícias que tentam ser objetivos ainda são muito afetados por interesses corporativos e políticos, já que seus empregadores possuem corporações gigantes vinculadas a governos. Desde que o ex-presidente dos EUA Bill Clinton assinou a Lei de Telecomunicações de 1996, sob a qual o Título 3 permite a propriedade cruzada de gigantes da mídia, a maioria dos meios de comunicação se conglomerou nos “seis grandes” (GE, News-Corp, Disney, Viacom, Time Warner e CBS) que controlam cerca de 90% da mídia americana. Eles consolidaram seu poder e influência para aumentar o clientelismo e as mentiras para servir a seus fins socioeconômicos e políticos. Apenas um punhado de grandes corporações possui as estações de notícias mais vistas do mundo e mentem para os telespectadores a cada minuto, constituindo essencialmente um oligopólio nas telecomunicações.

A Viacom é proprietária da CBS, anteriormente conhecida como Colombia Broadcasting System, que possui 30 estações de TV, rádio CBS e editora, Simon & Schuster. A Disney é proprietária da ABC, a American Broadcasting Company, 30 estações de rádio, ESPN, A&E, Lifetime, música, videogame e editoras de livros. A Disney também é parceira da corporação Hearst, que possui mais redes, jornais e revistas. A Time Warner é proprietária da CNN, Cinemax, HBO, Warner Brothers, Newline Cinema, DC Comics, TBS, TNT e muito mais. A General Electric (GE) era anteriormente propriedade da NBC, a National Broadcasting Company, antes de ser comprada pela Comcast, proprietária da AT&T Broadband, 14 estações de TV NBC, Telemundo, NBC News, CNBC, MSNBC, Peacock Productions, Weather Channel, Bravo , E!, rede dos EUA, partes das redes MLB e NHL, parte da Hulu, Seeso, Universal Pictures e DreamWorks. A GE agora é proprietária da GE real estate, GE Capital Aviation Services, GE Oil and Gas, GE Power and water e GE Healthcare. A News Corporation é proprietária da Fox News, empresa de transmissão da Fox, Fox Business Network, National Geographic, FX, Wall Street Journal, New York Post, Barron’s, SmartMoney, 20th Century Fox e Harper Collins. Mesmo as estações de notícias locais são de propriedade de grandes corporações como Belo, Gannett, Media General e Post-Newsweek. Esses conglomerados gigantes ganham bilhões de dólares nos vendendo as “grandes mentiras”.

Os laços que esses conglomerados de mídia têm com políticos e outras fontes governamentais são geralmente significativos e, às vezes, muito transparentes. Por exemplo, o ex-prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, uma das pessoas mais ricas da Terra, com patrimônio de US$ 46 bilhões em 2018, segundo a Forbes, é dono da Bloomberg L.P., a corporação multinacional de mídia de massa, que inclui Bloomberg News, Bloomberg Television, estação de rádio WBBR, e Bloomberg Terminal, um serviço de assinatura de terminal de computador que fornece informações detalhadas e privilegiadas sobre ações principalmente para grandes empresas financeiras. Nenhuma dessas propriedades foi considerada conflito de interesse durante seu mandato como prefeito de NY. Bloomberg também tem o NYPD no bolso. Em 29 de novembro de 2011, ele se gabou ao MIT durante um discurso: “Eu tenho meu próprio exército no NYPD, que é o sétimo maior exército do mundo”. Este exército criou virtualmente um estado policial em Nova York e a corrupção policial é galopante. Esse plutocrata ainda é apoiado porque controla grande parte da mídia, mas é semelhante a um personagem de 1984 de George Orwell.

A mídia corporativa tem uma influência mais sutil sobre os indivíduos do que os governos porque não usa a força para controlar as pessoas, mas as palavras costumam ser mais poderosas. Mesmo sem usar a força, a mídia tem sangue nas mãos. Apesar de ter a capacidade de impedir atrocidades em massa promovendo a conscientização sobre elas, a mídia corporativa geralmente as evita se implicar seu próprio governo ou patrocinadores corporativos. O massacre de civis inocentes patrocinado pelos EUA em Timor Leste em 1991 é um exemplo. A maioria dos principais meios de comunicação dos EUA não o noticiou. Muitos dos conflitos mais mortais não são relatados, como o genocídio no Sudão do Sul e no Congo. (Parte da razão para isso é que eles não querem desencorajar o turismo e o investimento lá em benefício das corporações americanas no exterior.) Mas os ataques ao World Trade Center e ao Pentágono em 11 de setembro, que mataram 3.000 pessoas, recebeu mais atenção dos meios de comunicação dos EUA do que talvez qualquer outro ataque na história. A cobertura sobre eles, juntamente com a retórica, foi amplamente usada para justificar a invasão e os bombardeios no Afeganistão e no Iraque, que mataram mais de um milhão de pessoas. (De acordo com uma pesquisa realizada pela Opinion Research Business (ORB) International publicada em 14 de setembro de 2007, a guerra dos EUA no Iraque já custou 1.220.580 vidas desde 2003. Claro, a contagem de mortes é ainda maior hoje.) Explorar a tragédia é muito comum tática para gerar medo para servir fins e classificações políticas e financeiras. Mas se não houver dinheiro a ser ganho com a tragédia, a cobertura é evitada.

A mídia corporativa distorce as realidades da guerra talvez mais do que qualquer outro assunto. As guerras no Iraque e no Afeganistão são apenas dois exemplos. Muitas das reportagens sobre os esforços da Guerra Fria também foram feitas incrivelmente em ambos os lados do conflito, o que discutirei no livro. Hoje, ouvimos falar de soldados dos EUA “lutando nobremente” no Oriente Médio quase todos os dias de conglomerados de mídia dos EUA, mas raramente ouvimos sobre os milhões que foram mortos na região e os crimes contra a humanidade cometidos pelos militares e privados dos EUA. empreiteiros militares.

A mídia corporativa em geral não quer relatar nenhuma crise humanitária que seja muito polarizadora, deprimente ou que envolva seu governo ou seus patrocinadores por medo de perder seu apoio. Jornalistas investigativos e corporativos geralmente obtêm suas informações de funcionários do governo que relutam em continuar fornecendo informações dignas de notícia se não forem giradas em favor do governo. Portanto, muitas vezes ouvimos mais sobre a vida social dos políticos do que suas políticas, porque é isso que vende com segurança.

A fome atual na África Oriental e Central quase nunca é discutida nas principais emissoras de notícias da América ou em outros países ricos, e milhões mais podem morrer como resultado. O genocídio em curso no Congo matou seis milhões de pessoas com pouca cobertura ou intervenção dos EUA, exceto principalmente de jornalistas independentes. Catástrofes como furacões geralmente não recebem atenção mundial, a menos que sejam muito graves ou envolvam um país rico ou estejam situadas próximas a um. Se uma empresa de construção dos EUA for contratada para reconstruir após o desastre, os repórteres de notícias principais de repente se tornam corações sangrentos, implorando por doações. Isso também costuma ser feito para atrair investimento emocional e tempo, porque isso se traduz em melhores classificações e mais dinheiro para os proprietários dessas empresas de transmissão. (O WPRI News, de propriedade da ABC, entrou em contato comigo muito rapidamente depois que minha irmã desapareceu, não porque eles estavam preocupados, mas porque queriam uma história. Eles também cortaram a maior parte do que eu disse de seu segmento.) Muitas vezes, quando há uma tragédia, é melhor não insistir nisso e reviver interminavelmente a experiência porque torna mais difícil seguir em frente, mas é exatamente isso que as emissoras de notícias corporativas fazem.

Os políticos também exploram a tragédia. Quando as guerras dos EUA são travadas, as empresas de construção dos EUA com laços com políticos muitas vezes conseguem contratos com o governo responsável pelos danos para reconstrução. Os Clintons, em particular, têm um histórico de lucrar com desastres e fundos destinados à ajuda em desastres. Por exemplo, quando o terremoto de janeiro de 2010 devastou o Haiti, os suprimentos de socorro foram atrasados ​​no desembarque em um aeroporto no Haiti para que Hillary pudesse pousar lá para uma sessão de fotos e uma entrevista coletiva, fazer uma declaração e depois voar de volta a Washington. $ 13 bilhões de dólares foram levantados de organizações internacionais de ajuda ao Haiti na época. Conselheiro Sênior e Conselheiro do Presi 2008 de Hillary  dential, Cheryl Mills foi responsável pela alocação do dinheiro dos impostos dos EUA para o Haiti por meio da USAID. Bill havia sido anteriormente indicado como enviado especial ao Haiti para a ONU e agora também foi nomeado co-presidente da Comissão Interina de Recuperação do Haiti. Os Clintons garantiram que o dinheiro destinado ao alívio de desastres fosse para doadores de Clinton que tinham interesses econômicos no Haiti. US$ 124 milhões foram para uma fábrica têxtil em Caracol, em Nord-Est, na costa norte do Haiti, onde o terremoto não teve efeitos. A fábrica deveria criar 64.000 empregos, mas criou apenas 5.000 e os maiores beneficiários foram Gap, Target e Walmart, que receberam têxteis livres de tarifas produzidos por meio de mão de obra haitiana barata. Além disso, o Programa de Novos Assentamentos no Haiti deveria construir 15.000 casas por US$ 53 milhões, mas em vez disso construiu 2.600 casas por US$ 90 milhões. A maior parte do dinheiro foi usada para construir hotéis de luxo ao lado dos devastados pelo terremoto. Os Conselheiros de Desenvolvimento Global de Dalberg também deveriam realocar as pessoas desabrigadas do terremoto, mas escolheram a beira de um penhasco como local de acampamento.

A mídia corporativa em países ricos como os Estados Unidos muitas vezes distrai os indivíduos de questões que têm o maior impacto social. Principalmente mantém as pessoas complacentes nos países ricos porque a maioria das corporações e políticos não querem que os cidadãos mais ricos resistam, pois têm recursos para afetar a desigualdade. Há exceções brilhantes, é claro, mas são raras e muitas vezes menos populares porque não são apoiadas por grandes corporações. Ironicamente, os satiristas que atraem a atenção do mainstream geralmente são apoiados por alguns dos mesmos monopólios de mídia que criticam.

Essas distrações da mídia existem porque há uma demanda por elas. Além das notícias, muitos programas de televisão, músicas, filmes e outros tipos de mídia tornaram as pessoas obcecadas pela vida de celebridade e pela busca de riqueza. Eles fazem muitos de nós acreditarmos que podemos nos tornar ricos e famosos desde que trabalhemos duro o suficiente, o que nos faz escravos incansavelmente em nossos empregos insatisfatórios em vão. O objetivo é nos manter perseguindo o sonho sem nunca alcançá-lo. Isso é feito aumentando constantemente a concorrência e exigindo produtividade, usando os indivíduos mais desesperados para garantir os menores custos de mão de obra e criando uma bagunça no processo, que eles podem filmar, reproduzir e distorcer de maneiras que atendam ainda mais a seus interesses. Mais especificamente, pessoas desesperadas dispostas a trabalhar por quase nada são culpadas por “tirar empregos” da classe média, em vez de culpar empregadores gananciosos dispostos a explorar essas pessoas desesperadas e se recusando a pagar salários decentes.

Como resultado da escassez de valores na mídia corporativa, muitas pessoas querem ser celebridades em países ricos como os Estados Unidos e por isso transmitem e se expõem de todas as maneiras que a tecnologia permite até que nada em suas vidas seja mais privado e nada é considerado muito banal para compartilhar. Muitos desconhecem os problemas mundiais por causa disso. Os feeds de notícias online estão cheios de selfies e fotos de gatos em vez de notícias reais. No entanto, se a maioria das pessoas estivesse ciente das muitas crises humanitárias urgentes do mundo, elas provavelmente se sentiriam compelidas a fazer algo.

Mesmo quando o trabalho árduo das pessoas comuns compensa e somos capazes de atrair o apelo de massa por meio de nosso talento ou conhecimento, muitas vezes somos explorados pelo setor privado para beneficiar aqueles que já têm muito capital. Os alunos mais inteligentes, por exemplo, são frequentemente explorados por seus conhecimentos e ideias por grandes corporações e ficam sem um tostão. Mas os alunos podem resolver esse problema colaborando e disseminando o conhecimento de forma livre e democrática, bem como criando suas próprias colaborações e coletivos e nunca se vendendo para grandes corporações.

Os meios de comunicação corporativos mais bem-sucedidos financeiramente nos países pobres geralmente invocam ainda mais medo e se inclinam para demagogia e jingoísmo mais flagrantes, expondo as minorias sem desculpas para explicar por que há uma enorme desigualdade e sofrimento. Isso geralmente é feito para incitar a ação, em vez de complacência. As pessoas mais pobres geralmente têm menos acesso à diversidade de informação e educação que as pessoas mais ricas desfrutam, então isso pode impedi-los de saber quando estão sendo enganados, e essas instituições que nos controlam se aproveitam disso. Há menos distrações irracionais nos países pobres porque as pessoas comuns não têm dinheiro para elas, e seus governantes querem que eles produzam em fábricas, lutem nas forças armadas ou explorem minorias como policiais, em vez de se distrair.

Há um punhado de programas de televisão incríveis, filmes e programas de notícias confiáveis ​​e confiáveis ​​em quase todo o mundo. Mas, no geral, há muita influência corporativa e política na mídia, e isso é responsável por problemas globais. A mídia mais amplamente divulgada deve ser a mais útil social ou ambientalmente, educacional, ou valioso em alguma capacidade, mas isso está longe da realidade. Em vez disso, o que é mais disseminado agora é o que venderá mais facilmente ou o que governos e corporações pagam para executar para promover suas próprias agendas.

Os governos das ricas autodenominada “democracias” criam a ilusão de liberdade e controlam a opinião popular. Mas em países mais pobres governados por ditadores, monarcas ou oligarcas sem remorso, essa ilusão de liberdade não precisa existir para manter sua riqueza. A força é usada com muito mais frequência porque os cidadãos só são considerados úteis ao seu governo como instrumentos de produção ou guerra. Indivíduos em todo o mundo só são considerados úteis por governos e corporações como produtores, consumidores, soldados e ocasionalmente eleitores (embora as eleições sempre possam ser fraudadas). Portanto, a propaganda sutil da mídia é mais comumente usada como ferramenta em países ricos. Como Noam Chomsky escreveu em Manufacturing Consent: the Political Economy of the Mass Media, “a propaganda é para a democracia o que a violência é para a ditadura”.

A mídia de notícias corporativas, corporações mais amplamente, governos e instituições religiosas estão constantemente nos alimentando com falsas dicotomias, forçando-nos a um pensamento binário maniqueísta para conquistar e dividir. Por exemplo, eles nos dizem que você é republicano ou democrata. Ou você apoia esse político e odeia seu oponente ou vice-versa. Ou você é conservador ou liberal. Ou você é um falcão ou uma pomba. Ou você gosta de Coca ou Pepsi. Ou você é um santo ou um pecador. Ou você é católico ou presbiteriano. Você está certo ou errado, e assim por diante. Eles não abrem espaço para áreas cinzentas ou nuances, mesmo que o mundo esteja cheio de ambos. Isso força as pessoas comuns a brigar e se voltar umas contra as outras: os brancos se voltam contra os negros, os cristãos se voltam contra os muçulmanos, os homens se voltam contra as mulheres, vice-versa e assim por diante. Eles também fazem isso “atravessando” as minorias, traçando demarcações claras na sociedade e desviando a atenção da fonte da miséria do mundo: as próprias instituições que tentam nos dividir e nos colocar em caixas, torcendo por “nossos times”. Isso faz com que a maioria das pessoas ignore as falhas de sua “própria equipe” enquanto se concentra incansavelmente nas falhas da “equipe adversária” e inventa falhas, mesmo que essas falhas sejam compartilhadas por “sua equipe”. Como resultado, a maioria das pessoas não quer fazer o que é moralmente certo ou saber a verdade. Eles só querem estar “certos” ou no “time vencedor”. É um exercício de hipocrisia. Se eles ouvem que o fantoche que votaram cometeu crimes de guerra, em vez de olhar para ele e mudar sua posição de acordo, eles o ignoram (este é um exemplo de dissonância cognitiva) porque a maioria das pessoas não gosta de admitir que cometeu um erro . Eles preferem continuar vivendo a mentira e se convencer de que tomaram a decisão certa.

É mais fácil rejeitar o jornalista que revelou os crimes de guerra como loucos, estúpidos ou errados do que reavaliar nossos próprios valores e escolhas. A maioria das pessoas procura fontes de informação que apenas reafirmem os valores e as escolhas que já escolheram. Isso é chamado de viés de confirmação. As instituições que nos controlam também nos instilam uma amnésia coletiva ou “esquecimento organizado”. A maioria das pessoas lamentará o ex-presidente e jurará nunca mais cair nos “truques políticos”, mas quando a temporada de eleições começar de novo, eles serão persuadidos mais uma vez a acreditar que a solução é um político aqui para salvar o dia. O sistema nunca muda fundamentalmente porque a maioria das pessoas não aprende com a história. Eles aceitam a narrativa oficial, que é quase sempre uma mentira e ficam do lado de seus opressores (isso também é chamado de síndrome de Estocolmo) por uma falsa sensação de segurança.

1.5 Religião: A Quarta e Mais Única Influência

Os governantes econômicos dos maiores governos, corporações, meios de comunicação e instituições religiosas causam a maior parte do sofrimento que existe no mundo. Eles são responsáveis ​​pela maior parte da pobreza, problemas de saúde relacionados à renda e mortes por guerras. Quase todos na Terra são afetados por essas instituições de alguma forma, mas a maioria das pessoas não as culpa pelas condições desiguais do mundo porque elas são tão bem-sucedidas em manipular as pessoas. Na verdade, eles afirmam que sem eles esses problemas seriam piores, apesar de a maioria de nós não receber ajuda dessas instituições e ser regularmente prejudicada por elas. Em vez disso, se eles não estão culpando grupos minoritários, a maioria das pessoas culpa “o diabo” ou busca ajuda de “Deus”.

Governos e líderes religiosos nos dizem que há uma “boa razão” (geralmente “a vontade de Deus”) para que eles e outros sofram, e muitos de nós acreditamos nisso ou permanecemos inconscientes da extrema gravidade e extensão do sofrimento no mundo, mas nós, pessoas comuns, coletivamente temos a capacidade de prevenir esse sofrimento e acredito que temos a obrigação moral de fazê-lo. Os indivíduos que os governos nos fazem temer e odiar mais como as pessoas que lutamos nas guerras e as pessoas que aprisionamos muitas vezes não são muito diferentes de nós. A maioria teve a infelicidade de nascer em circunstâncias traumáticas. Porque muitos de nós querem tanto acreditar que as pessoas não sofrem imerecidamente, muitos de nós acreditam que os governos e outras instituições hipócritas quando nos dizem que aqueles que punimos e torturamos merecem sofrer.

Alguns de nós tendem a não considerar o que leva uma pessoa a cometer comportamentos que consideramos vis. Muitos de nós temos convicções profundas sobre essas ideias que vêm de nossas próprias experiências e do que nos ensinaram. Mas enquanto as pessoas que são vistas como “más” pela maioria estão sendo punidas, muitos de nós não sentem a necessidade de questionar nossas convicções. A maioria de nós que comete erros não o faz conscientemente sem provocação. O mundo é uma rede interconectada e em constante evolução de organismos e ecossistemas que podem criar um equilíbrio quando as ações que tomamos refletem uma compreensão e respeito por esse fato. Mas é fácil esquecer essa interconexão quando o infortúnio ocorre. Uma morte trágica pode nos fazer sentir que o mundo inteiro está contra nós ou que é “cada um por si”, mas a natureza não funciona dessa maneira. Respiramos oxigênio e exalamos dióxido de carbono. O carbono neste CO2 é sequestrado pelas plantas para sua sobrevivência e isso libera o oxigênio do CO2, que então usamos para nossa sobrevivência. Nós comemos plantas; eles comem nossos resíduos. A natureza é cíclica e consiste em uma infinidade de relações simbióticas. Idealmente, as comunidades humanas podem operar da mesma maneira, mas os governantes da humanidade nos colocam uns contra os outros, continuamente passando a responsabilidade por suas próprias transgressões.

Mais comportamentos malignos ou destrutivos geralmente são criados do que destruídos quando as pessoas são trancadas em jaulas e os países vão para a guerra. Pessoas boas podem se tornar cruéis e misantrópicas quando estão presas ou veem sua família morta na guerra. Mas, como afirmado, muitos de nós atribuímos a ocorrência de eventos infelizes a uma autoridade ainda maior como o “universo” ou “Deus”. Se uma pessoa está sofrendo ou sendo punida, muitos de nós tendemos a acreditar que há uma razão para isso, o que é um dos erros mais graves que podemos cometer.

Muitas vezes nos dizem para não nos importarmos com pessoas que agem de maneiras socialmente ou tradicionalmente inaceitáveis, porque muitos de nós não entendemos por que os indivíduos agem de maneira semelhante. Mas ninguém nasce misantropo ou humanitário. A vontade de fazer o “mal” ou agir imoralmente não nasce em ninguém. Em uma entrevista para o documentário The Corporation, Noam Chomsky disse que “cada um de nós, em algumas circunstâncias, pode ser um atendente de câmara de gás ou um santo”. Certo e errado, bom e ruim, e identidade são conceitos simplificados demais e quem nos tornamos às vezes pode estar muito fora de nosso controle porque nossos ambientes e nosso DNA (que não escolhemos) moldam quem nos tornamos.

As pessoas geralmente são tratadas e vistas com base em como agem, parecem e se representam, enquanto outros fatores significativos, como o que as tornou assim, são frequentemente ignorados. A identidade é complexa e fluida. Ninguém pode escolher sua aparência exata, é claro, mas a identidade também não é completamente escolhida. Essas instituições maliciosas maiores no trabalho podem ser mais difíceis de detectar do que as influências mais positivas sobre a identidade. Se mais de nós soubéssemos como essas instituições negativas nos afetam, provavelmente seríamos muito menos desdenhosos com as pessoas em dificuldades que são acusadas de serem o problema. Essas instituições que nos controlam geralmente transformam os grupos de pessoas que são julgadas com mais severidade e percebidas como imorais, indolentes ou más.

Nós, humanos, somos frequentemente instruídos a não considerar a humanidade como um todo. A maioria de nós se preocupa com aqueles que se preocupam conosco. Mas esse amor nem sempre é estendido globalmente. A internet e outros dispositivos que permitem a comunicação global só foram inventados recentemente, então alguns simplesmente não conversaram com as pessoas que consideram seus inimigos e, consequentemente, não os conhecem. A maioria de nós também sabe exatamente o que influencia nossos amigos e familiares (para melhor ou para pior), então somos capazes de olhar além de suas falhas e perdoá-los. Mas é difícil fazer isso para todos na Terra (não é necessário perdoar a todos, mas entender as motivações de tantos quanto possível é vital), especialmente quando estamos sendo distraídos e divididos por nossos governantes financeiros. Portanto, é mais fácil generalizar e não se importar com determinada pessoa, raça, grupo religioso ou país distante. Este é um grande problema porque se a maioria de nós for levada a influenciar positivamente aqueles dentro de nossos próprios grupos sociais ou mesmo aqueles dentro de nossas próprias fronteiras, então a enorme desigualdade e sofrimento que existe no mundo continuará a persistir quando não tem que.

Como afirmado, cerca de 84% do mundo é religioso e quase todos praticam comportamentos religiosos ou supersticiosos (inclusive eu às vezes, apesar de saber que são irracionais). Para algumas pessoas, sua religião lhes dá grande conforto, mas a que custo? A maioria pas pessoas acreditam que o que acontece com elas acontece por uma razão (este é um exemplo de “pensamento mágico”) porque é muito difícil acreditar de outra forma. Tudo o que acontece é supostamente parte do “plano de Deus” (isso se chama providencialismo) e até mesmo muitos indivíduos não religiosos gostam de acreditar que existe algum guardião esotérico e universal da ordem moral. Se as coisas nem sempre acontecem por motivos significativos, muitos temem que estejamos apenas à mercê de outras pessoas (e das forças que realmente nos controlam), e o futuro de nossas identidades está em grande parte fora de nossas mãos. Queremos acreditar que há uma razão significativa para o sofrimento existir, porque se não houver, não há garantia de que terminará. O mundo parece um caos absoluto sem uma compreensão da ciência ou a crença em um Deus controlando tudo. Como a ciência é mais difícil de entender, a maioria das pessoas acredita em Deus.

Muitos de nós que não acreditam que todas as pessoas que sofrem merecem ignorar essas pessoas e se concentrar em nossas próprias vidas. Mas como podemos orar por nós mesmos enquanto as crianças que oram por comida, água e paz não as recebem? Algumas pessoas têm pouca dificuldade em acreditar que as pessoas não sofrem sem uma boa razão porque sofreram apenas por razões significativas ou pelo menos se convenceram de que sofreram. Mas eles devem ignorar todas as pessoas que suportaram tanto sofrimento sem sentido. Porque o desejo de acreditar que todos os eventos acontecem por razões divinas é tão forte, mesmo as pessoas que mais sofrem desnecessariamente ainda acreditam que há uma razão para sua dor. E, como mencionado, as instituições que realmente causam mais sofrimento reforçam esse equívoco para não sermos vistos como nossos verdadeiros inimigos.

A maioria das pessoas que está sofrendo acredita que “Deus” ou o “universo” está tentando ensinar-lhes uma lição ou melhorá-los de alguma forma. Mas as verdadeiras causas principais do sofrimento que nos controlam e manipulam não são sobrenaturais ou esotéricas; eles são feitos pelo homem, e são essas instituições que nos convenceram com tanto sucesso de que o sobrenatural é a causa de nossos altos e baixos e até mesmo de quem nos tornamos como pessoas. Essas instituições também tentam justificar o que fazem alegando que Deus está do seu lado; eles alegam que desastres naturais, seus próprios erros catastróficos ou os impactos destrutivos de sua ganância que matam milhões são “atos de Deus” que está zangado com qualquer grupo que eles não gostem. (A maioria dos acordos de termos de serviço [TOS] grandes corporações transnacionais nos pedem para assinar também protegê-los legalmente em casos de “atos de Deus”.) problemas que estão criando. Quando eles não assumem a responsabilidade por seus próprios erros, muitas vezes afirmam que não fomos piedosos o suficiente ou alguma outra bobagem.

Como exemplo, Steve Lafermine, da Columbia Christians for Life, disse que o furacão Katrina foi uma punição pela “tolerância ao aborto” do país, pois acreditava que a foto de satélite do desastre parecia um feto abortado. No ainda popular programa de TV cristão, “The 700 Club”, o reverendo Jerry Falwell chamou os ataques de 11 de setembro de atos de Deus. Ele disse: “Eu realmente acredito que os pagãos, e os abortistas, e as feministas, e os gays e as lésbicas que estão tentando fazer um estilo de vida alternativo, a ACLU, People for the American Way, todos eles que tentaram secularizar América. Eu aponto o dedo na cara deles e digo ‘você ajudou isso a acontecer’. O apresentador do programa e ex-ministro batista, Pat Robertson, concordou com essa afirmação ridícula.

Eu seria negligente em mencionar outro exemplo que exemplifica o caráter de Robertson e dessas fraudes religiosas de mercenários. No início dos anos 90, Pat usou sua Operação Blessing International Relief and Development Corporation, isenta de impostos e sem fins lucrativos, como fachada para financiar sua empresa de mineração de diamantes, a African Development Corporation, contratada pelo ditador genocida Mobutu Sese Seko, com quem havia sido amigos desde 1993. Ele alegou que as doações para sua “sem fins lucrativos” iriam para o transporte aéreo de refugiados de Ruanda quando, na verdade, as doações foram usadas para transportar equipamentos de mineração de diamantes para as minas de diamantes de Robertson no Zaire, de acordo com os dois pilotos que pilotaram os aviões de Pat.28 Portanto, não apenas esses fanáticos religiosos culpam indivíduos e grupos que eles não gostam e que são completamente inocentes por tragédias, eles também tentam lucrar com eles, assim como os políticos.

A política é tratada exatamente como as religiões, pois a maioria das pessoas é tão fanática, obstinada e bajuladora sobre sua política quanto sua religião, e os políticos são tratados como pregadores ou mesmo como messias. Centros de convenções são suas igrejas ou catedrais. Seus discursos de campanha são seus sermões para os doutrinados, os pódios são seus púlpitos, e ambos querem seu dinheiro. Eles agradam ao seu público, dizem a eles o que eles querem ouvir e os fazem temer quando querem que eles atuem. Ambos pedem sua obediência cega e nãoquestionando a fé na autoridade (Deus ou o governo ou ambos). Até mesmo seus padrões de fala são os mesmos com picos altos e vales profundos, buscando aplausos ou um “Amém!” É tão fácil ser qualquer um. Ambos fazem promessas que não podem cumprir e mentem descaradamente. Mais importante ainda, eles priorizam os sentimentos sobre os fatos, apelam para nossas “coragem” em vez de nosso intelecto ou coração, exigem que olhemos constantemente para frente, esperemos e oremos por mudanças e nunca ajamos por nós mesmos. Mas falar é barato.

Na América e em muitos outros países devemos ter uma “separação entre Igreja e Estado” por razões óbvias. Um governo que afirma ser “ordenado por Deus” (como alguns gostam de Israel) não poderia ser mais perigoso ou potencialmente enganoso e manipulador. Mas, na realidade, Igreja e Estado não poderiam estar mais entrelaçados. Temos o chamado “imposto do pecado” sobre produtos como álcool e cigarros, a moeda americana está inscrita “em Deus em que confiamos”, os políticos são eleitos com base em suas supostas crenças em Deus e dogma, e juramos Bíblias no tribunal. Ser ateu é até punível com a morte em ditaduras religiosas, como no Afeganistão, Irã, Malásia, Maldivas, Mauritânia, Nigéria, Paquistão, Catar, Arábia Saudita, Somália, Sudão, Emirados Árabes Unidos e Iêmen. Em Israel, a religião é essencialmente o estado. Estes são apenas alguns exemplos da miríade de interconexões entre Igreja e Estado.

Todas as instituições que nos controlam estão conectadas. Eles são motivados por objetivos semelhantes ou às vezes os mesmos exatos. Eles usam muitos dos mesmos métodos para nos controlar e todos eles facilitam o controle do público uns para os outros. Mas a religião é uma influência muito singular e controladora e uma das mais poderosas, porque muitas vezes afeta os governantes responsáveis ​​tanto quanto o resto de nós. Alguns líderes religiosos impactam positivamente a vida das pessoas, enquanto outros controlam e moldam a mente das pessoas de forma negativa, nem sempre por motivos egoístas, porque muitos não veem o mal que estão fazendo e, de fato, acreditam que estão ajudando.

O Vaticano se proclama abertamente como um estado religioso, assim como Israel. Mas eles são de alguma forma vistos como normais por alguns, apesar da extravagância do Vaticano e do completo desrespeito do governo israelense pelas vidas dos palestinos, minorias em Israel e qualquer um que se oponha a eles. Alguns até consideram esses estados “Santos” porque eles têm sua religião para se esconder. A agência de inteligência de Israel, Mossad, até realizou assassinatos em massa de líderes palestinos sob o codinome “Operação Ira de Deus”. Religião e governo na prática são inseparáveis.

Como executivos e políticos de empresas, alguns líderes religiosos muito poderosos usam muito o medo e a força. As pessoas são feitas para temer a Deus, e as consequências de não acreditar em algum “Livro Sagrado” ou outro, apesar de esses livros serem extremamente contraditórios. A violência tem sido usada na história interminavelmente por grupos religiosos, e a religião ainda é a causa ou justificativa usada para a maioria das guerras e ataques terroristas. Quase todos os impérios violentos da história tiveram uma religião dominante que foi usada para justificar a conquista e a violência imperiais. O Holocausto, a Inquisição, a Rebelião Taiping, a Guerra dos Trinta Anos, as Cruzadas, as guerras religiosas francesas, a caça às bruxas, os atuais atentados suicidas no Iraque, o genocídio dos povos nativos por Cristóvão Colombo (cujo nome significa literalmente “Cristo- portador colonizador”29) e as muitas guerras travadas por Israel foram motivadas pelo extremismo religioso. De fato, “um ano após a primeira viagem de Colombo, o Papa Alexandre VI em sua Bula Papal Inter Cetera Divina concedeu à Espanha todo o mundo ainda não possuído por estados cristãos, exceto a região do Brasil, que foi para Portugal”. Os padres em 1524 também ajudaram Pedro de Alvarado e seus soldados a matar os maias na Guatemala, em alguns casos queimando-os vivos e depois destruindo os registros de sua existência. Missionários jesuítas e franciscanos também ajudaram o império espanhol e português a colonizar a maior parte da América do Sul.

Certos grupos de pessoas geralmente afirmam que têm o “direito” de destruir outros povos por causa da “superioridade dada por Deus”. Além disso, a maioria das guerras que não foram motivadas apenas pela religião foram travadas por pessoas que sentiam que estavam cumprindo as ordens de Deus, o que não é surpreendente, considerando que a maioria dos textos religiosos diz que assassinato e guerra nas circunstâncias certas são aceitáveis. A maioria das pessoas tem mais medo de Deus do que das pessoas que chamam de seus inimigos, e políticos e clérigos usam esse medo para servir a seus próprios interesses.

Quando o número de pessoas que sofrem imerecidamente e são impotentes para mudar isso ou a si mesmos de maneira significativa é levado em consideração, o conceito de destino parece ser tão real quanto o Papai Noel ou o Coelhinho da Páscoa. Claro, nem tudo o que ocorre é bom ou útil. Eventos ocorrem por causa de eventos anteriores e esses eventos ocorrem por causa da lei científicas que governam o universo. Atualmente, não há evidências científicas que apoiem a existência de Deus e, se houver, Deus estaria quebrando as leis físicas afetando o universo de alguma forma. Mas muitas pessoas religiosas não acreditam nisso, que é outra razão pela qual a religião pode ser tão perigosa, e as religiões se tornam ainda mais perigosas por governantes desonestos, venais e sedentos de poder que se aproveitam delas para controlar as pessoas.

Embora o governo dos EUA deva manter a Igreja e o Estado separados, alguns políticos ainda conseguiram aprovar medidas que exigem que as crianças aprendam teorias religiosas em vez de científicas. Esta é uma das razões pelas quais a maioria dos americanos ainda acredita no criacionismo. Em algumas regiões do mundo, como partes carentes do Paquistão, a situação é ainda pior e muitas escolas têm apenas um livro e é um livro religioso. Isso é incrivelmente perigoso porque, embora nossos “Livros Sagrados” tenham algumas morais para nos ensinar, a maioria tem muito mais ódio, dogma, misoginia e mito neles. Mais de 300 escolas americanas ensinam criacionismo e recebem dinheiro do contribuinte por meio de vouchers escolares. A Suprema Corte decidiu em 2002 que o financiamento estatal da educação religiosa é constitucional no caso Zelman v. Simmons-Harris, apesar de ser uma clara violação da 1ª emenda. No entanto, 35 estados têm Emendas Blaine que proíbem o financiamento público da educação religiosa.

O método científico pode explicar por que quase tudo ocorre e, no entanto, muitas pessoas ainda se apegam às suas explicações sobrenaturais porque essas instituições poderosas e as pessoas que as dirigem são tão hábeis na manipulação. Nossas explicações sobrenaturais (religiosas e outras) podem ser questões muito delicadas. Eles podem se tornar convicções desesperadas, que garantem conflitos e decisões precipitadas e impulsivas quando a única linha de comunicação que as pessoas têm com “Deus” está em suas cabeças. A ironia é que a tecnologia científica é aplicada e usada todos os dias sem pensar duas vezes por pessoas que dizem não acreditar nos princípios científicos mais básicos. Mas as leis científicas existem quer acreditemos nelas ou não.

A religião é a influência controladora mais antiga. Ele foi criado para responder a perguntas para as quais não tínhamos as respostas corretas. A causa de todos os eventos foi primeiramente atribuída a forças sobrenaturais porque havia tanta coisa ao nosso redor que não podíamos explicar. Eventualmente, as crenças que formamos sobre essas forças sobrenaturais tornaram-se questões sagradas que levamos muito pessoalmente, e muitos estavam dispostos a morrer para defendê-los, e muitos o fizeram porque suas crenças previsivelmente conflitavam. Os antigos governantes do Egito e da Mesopotâmia aproveitaram isso para concentrar seu poder. Muitos dos primeiros governantes de governos afirmavam estar próximos dos deuses ou dos próprios deuses e esta era a principal razão pela qual as pessoas os ouviam e os deixavam governar. O mesmo é verdade hoje. Alguns líderes fingem ser piedosos ou próximos de Deus para manipular os outros. Muitas posições de poder dentro de religiões e governos organizados também subsistem apenas por causa umas das outras, e é tremendamente perigoso que o façam.

Um dos exemplos mais sérios de responsabilidade corporativa e política por seus próprios erros é o aquecimento global. De acordo com um relatório intitulado “The Carbon Majors Database: CDP Carbon Majors Report 2017” do Carbon Disclosure Project (CDP) em colaboração com o Climate Accountability Institute, apenas 100 grandes corporações são responsáveis ​​por mais de 70% das emissões de carbono do mundo. 31 A produção em massa e o uso de produtos químicos venenosos32 e combustíveis fósseis são responsáveis ​​por milhões de mortes, e o dogma religioso é frequentemente usado para aplacar as pessoas sobre esse problema. A combustão de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) oxigena muitos elementos neles, criando vários subprodutos, incluindo dióxido de carbono. O dióxido de carbono é um elemento natural da atmosfera que exalamos após cada respiração, mas o excesso de dióxido de carbono retém o calor na atmosfera, elevando as temperaturas globais e reduzindo a água sólida (gelo) na Terra, o que aumenta ainda mais a temperatura dos oceanos quanto mais os raios do sol são absorvidos pelo oceano em vez de serem refletidos pelo gelo. Se continuarmos queimando esses combustíveis nas taxas atuais ou mais rápido, podem ocorrer inundações em todo o mundo e outra era do gelo. As inundações já estão ocorrendo à medida que o nível do mar sobe lentamente, muitas cidades costeiras estão sendo destruídas e milhões foram forçados a se reinstalar. De acordo com um relatório de 2012 encomendado por 20 governos diferentes e escrito pela organização humanitária DARA, 100 milhões de pessoas morrerão até 2030 como resultado das mudanças climáticas se nada for feito.33 Cinco milhões já morrem todos os anos devido à poluição do ar, fome e doença causada por mudanças climáticas e economias intensivas em carbono de acordo com DARA.34

De acordo com outro estudo da Comissão Lancet, nove milhões morreram de doenças causadas pela poluição causada pelo homem somente em 2015, o triplo do número de mortes porAids, malária e tuberculose combinados.35 O Guardian relatou em 2017, “A grande maioria dessas mortes por poluição ocorre em países mais pobres e em alguns, como Índia, Chade e Madagascar, a poluição causa um quarto de todas as mortes… Os países de baixa renda e em rápida industrialização são os mais afetados, sofrendo 92% das mortes relacionadas à poluição.” dilúvio global em Gênesis na Bíblia. Esses tipos de alegações ridículas convencem alguns, mas a inundação já está ocorrendo, e milhões foram deslocados e mortos por ela e outros desastres ambientais causados ​​pelo excesso de umidade na atmosfera das geleiras derretidas.

Os desastres naturais tornaram-se muito mais comuns nos últimos anos devido às mudanças climáticas provocadas pelo homem e esses desastres naturais causam muito mais danos em países mais pobres como o Haiti, que sofreu um terremoto em 2010 que matou 380.000 pessoas, porque não têm fundos para se preparar para situações de emergência e o dinheiro para reconstruir quando eles atacarem. Muitas empresas de construção também ignoram os códigos de construção necessários para reforçar os edifícios e evitar o colapso para economizar dinheiro em suprimentos. O desastre no Haiti, assim como muitos outros causados ​​ou agravados pelo aquecimento global (como o furacão Katrina37) e até mesmo ataques terroristas, foram chamados de “atos de Deus” por vários especialistas religiosos, políticos e líderes corporativos.

Apesar da negação, a evidência é irrefutável. 2016 foi o ano mais quente já registrado38 (17 dos 18 anos mais quentes já registrados ocorreram desde 2000) e os níveis de C02 são mais altos do que em 3 milhões de anos.39 Cidades costeiras ao redor do mundo estão inundando com o derretimento das calotas polares ( que são projetados para desaparecer em breve por alguns cientistas40) mantos de gelo da Groenlândia e geleiras do vale. O branqueamento de corais, a eutrofização, os resíduos plásticos, a radiação das usinas nucleares e o aumento da temperatura da água estão devastando a vida marinha. Eventos climáticos extremos como furacões, secas, incêndios florestais e chuvas fortes estão aumentando. Parasitas e doenças que prosperam com o aumento da umidade e do calor também estão se proliferando com o aumento da umidade quente na atmosfera. E a mancha de lixo do Grande Pacífico, feita pelo homem, que pesa 7 milhões de toneladas41 e tem o dobro do tamanho do Texas, está crescendo com poucos esforços para interromper seu desenvolvimento. Fora da mancha, um total de 250 milhões de toneladas de resíduos plásticos poluem atualmente nossos oceanos. Cerca de 8 milhões de toneladas a mais de resíduos plásticos entram em nossos oceanos todos os anos, de acordo com um estudo realizado em 2015.42 Metade das espécies do mundo foram mortas por humanos no que é chamado de evento de extinção do Holoceno e o WWF e a Sociedade Zoológica de Londres projetaram que se as atividades humanas continuarem como estão, perderemos 2/3 das espécies do mundo até 2020.43 Nossos cursos d’água estão sendo envenenados por vazamentos de oleodutos, resíduos industriais, lixo, resíduos radioativos, produtos químicos, rejeitos de mineração e escoamento de enormes, insustentáveis, fazendas convencionais. Os lençóis freáticos estão sendo envenenados por fraturamento hidráulico, mineração e perfuração. Nossa comida está sendo envenenada com pesticidas sintéticos, inseticidas, fungicidas e OGMs projetados para sobreviver a esses venenos, e nosso ar nunca foi tão poluído. Enquanto isso, nossos políticos gritam “broca baby, furadeira!” Mesmo sob autodenominados democratas “ambientalistas” como Obama, houve mais exploração e perfuração de petróleo do que nunca na história. Os políticos continuam obcecados com “empregos” e “economia”, quando ambos serão inúteis se não houver ar puro para respirar, água limpa para beber ou comida saudável para comer.

A realidade calamitosa é que, se as instituições que nos controlam não forem detidas, elas nos destruirão completamente, seja pela poluição e exploração ambiental, seja pela guerra mundial com armas nucleares. Se eles não nos destruirem, pelo menos continuarão a redefinir completamente o que significa ser humano de maneiras pútridas, mantendo-nos para sempre acorrentados como bens móveis. Se os líderes mais misantrópicos e ecocidas dessas instituições tivessem o que queriam, seríamos apenas zangões irracionais e indistinguíveis, constantemente produzindo, consumindo e lutando pelo benefício dos poucos mais ricos e poderosos, enquanto sempre oramos por mudanças. O propósito reconhecidamente ambicioso deste livro é ajudar a evitar isso.

Neste livro, explorarei a história dessas instituições. As corporações mais controladoras, destrutivas e poderosas, meios de comunicação corporativos e agências governamentais estão sediadas nos EUA, mas a América é vista como o país “mais livre” da Terra por muitos porque sua propaganda nos diz isso. Portanto, este livro se concentrará muito neles. Mostrarei como e por que acredito que essas instituições evoluíram.

A conclusão do livro unirá todos esses elementos e explicará o que acredito ser o mais fundamentalproblema mental que faz com que essas influências continuem a se sentir no direito de controlar as pessoas. Este livro irá provar por que o governo, moeda fiduciária, corporações com fins lucrativos, hierarquia religiosa, mídia corporativa, capitalismo, fronteiras estatais e escravidão assalariada em todas as suas formas devem ser abolidas. Também provará a necessidade de anarquia, resistência armada ao estado e tirania corporativa, sabotagem de operações corporativas destrutivas, táticas de guerrilha, organização voluntária e horizontal de baixo para cima, economias baseadas em recursos, escambo, moedas sociais, economias de dádivas, controle sobre os meios de produção e distribuição organizados por necessidade e capacidade (socialismo libertário), grupos comunitários de vigilância, preservação ambiental, “rewilding”, agrossilvicultura sustentável, captura e uso de energia sustentável, educação experiencial, livros didáticos gratuitos e resistência a todas as formas de opressão e autoridade injusta. Isso nos ajudará a entender o que podemos fazer para parar as instituições que nos governam, para que possamos recuperar o controle sobre nossas próprias identidades e melhorar nossas vidas, as vidas de outras pessoas em todo o mundo e todas as formas de vida e ecossistemas, incluindo o ar, água e solo que nos sustentam.

1 Agorist, Matt: Em 2014, a polícia matou quase duas vezes mais americanos do que atiradores em massa combinados desde 1982. O Projeto de Pensamento Livre. 22 de junho de 2015. <<http://thefreethoughtproject.com/2014-police-killed-americans-mass-shooters-combined-1982/#JZqOMJr2PhYrTA4k.99>&gt;

2 Syrmopoulos, Jay: Um cidadão americano tem 58 vezes mais chances de ser morto por um policial do que por um terrorista. O Projeto Pensamento Livre. 7 de março de 2015:

<<http://thefreethoughtproject.com/u-s-citizens-58-times-killed-police-terrorists/>&gt;

3 Brian A. Reaves, Ph.D.: Censo de Agências Estaduais e Locais de Aplicação da Lei, 2008. BJS. Julho de 2011 <<http://www.bjs.gov/content/pub/pdf/csllea08.pdf>&gt;

4Andrea M. Burch: Óbitos Relacionados à Prisão, 2003-2009 – Tabelas Estatísticas. BJS. Novembro de 2011. <<https://www.bjs.gov/content/pub/pdf/ard0309st.pdf>&gt;

5 Doris A. Fuller, et al.: “Negligenciado no subestimado: o papel da doença mental em encontros fatais de aplicação da lei. Escritório de Pesquisa e Relações Públicas dezembro de 2015. http://www.treatmentadvocacycenter.org/storage/documents/overlooked-in-the-undercounted.pdf

6 UNODC: “Configurações da Prisão”. 12 de outubro de 2010. PDF.

7Loretta E. Lynch: Levantamento dos Sistemas Estaduais de Informação sobre História Criminal. Dezembro de 2015. BJS. <<2014. https://www.ncjrs.gov/pdffiles1/bjs/grants/249799.pdf>&gt;

8US DOJ, Divisão de Direitos Civis: Investigação do Departamento de Polícia de Ferguson. Página 58. 4 de março de 2015. <<https://apps.washingtonpost.com/g/documents/national/department-of-justice-report-on-the-ferguson-mo-police-department/1435/>&gt ;

9 David Murphey e P. Mae Cooper: Pais atrás das grades: o que acontece com seus filhos? Tendências infantis. Outubro de 2015. <<https://www.childtrends.org/wp-content/uploads/2015/10/2015-42ParentsBehindBars.pdf>&gt;

10 The Pew Charitable Trusts, 2010. Custos colaterais: o efeito do encarceramento na mobilidade econômica. Washington, DC: The Pew Charitable Trusts. <<http://www.pewtrusts.org/~/media/legacy/uploadedfiles/pcs_assets/2010/collateralcosts1pdf.pdf>&gt;

11 Walk Free Foundation, Global Slavery Index, 2014.

12 Nima Elbagir, et. al: Pessoas à venda: onde vidas são leiloadas por US$ 400. 14/11/2017. CNN. <<http://www.cnn.com/2017/11/14/africa/libya-migrant-auctions/index.htm>&gt;

13Terrence McNally: Há mais escravos hoje do que em qualquer outro momento da história humana. Alternativa. 24 de agosto de 2009. https://www.alternet.org/story/142171/there_are_more_slaves_today_than_at_any_time_in_human_history

14

Uggen, C., Larson, L., & Shannon, S. (2016). “6 milhões de eleitores perdidos: estimativas estaduais de privação de direitos por crime”, 2016. Washington, DC: The Sentencing Project.

15Chomsky, Noam: Hopes and Prospects, (2010) pg 17.

16Jeffery D. Sachs: A despesa fatal do imperialismo americano. Boston Globo. 30/10/16. <<http://www.bostonglobe.com/opinion/2016/10/30/the-fatal-expense-american-imperialism/teXS2xwA1UJbYd10WJBHHM/story.html>&gt;

17 “FORÇAS DO PESSOAL MILITAR DA ATIVIDADE POR ÁREA REGIONAL E POR PAÍS” DoD. 30/06/09. <<https://wikileaks.org/gifiles/attach/126/126194_hst0906.pdf>&gt;

18<<http://www.pmddtc.state.gov/reports/documents/rpt655_FY11.xls>&gt;

19 Gord Hill: 500 anos de resistência indígena, pág. 6, PM Press, 2009, e Woodow Wilson Borah, “America as a Model: The Demographic Impact of European Expansion Upon the Non-European World”, in Actas y Memorias XXXV Congreso Internacional de Americanistas, Mexico, 1962.

20 The Pew Charitable Trusts: “One in 100 Behind Bars in America in 2008” 26 de janeiro de 2008, pág. 6. Imprima.

212015 Crime nos Estados Unidos: Pessoas Presas. FBI. <<https://ucr.fbi.gov/crime-in-the-u.s/2015/crime-in-the-u.s.-2015/persons-arrested/persons-arrested>&gt;

22 Bernadette Rabuy, et. al: Detendo os Pobres. Maio de 2016. <<https://www.prisonpolicy.org/reports/DetainingThePoor.pdf, página 2.>>

23Do mais alto para o mais baixo – detidos provisórios/prisioneiros em prisão preventiva. Estudos prisionais. http://www.prisonstudies.org/highest-to-lowest/pre-trial-detainees?field_region_taxonomy_tid=Todos http://www.prisonstudies.org/highest-to-lowest/pre-trial-detainees?field_region_taxonomy_tid=Todos

24 Mark Wilding: multar pessoas em US $ 1.500 por serem sem-teto é um novo ponto baixo para Londres. VÍCIO. 04/06/15. <<https://www.vice.com/en_us/article/8gkne3/criminalising-the-homeless-is-a-new-low-for-london-733>&gt;

25 Chuch Collins e Josh Hoxie: Bonanza bilionária: A Forbes 400 e o resto de nós. 1º de dezembro de 2015. Instituto de Estudos Políticos. <<https://www.ips-dc.org/billionaire-bonanza/>&gt;

26Deborah Hardoon: Uma economia para os 99%. 16 de janeiro de 2017. Oxfam Internacional. <<https://www.oxfam.org/en/research/economy-99>&gt;

27Annalyn Censky: Os americanos representam metade do 1% mais rico do mundo. 4 de janeiro de 2012. CNN. <<http://money.cnn.com/2012/01/04/news/economy/world_richest/>&gt;

28David John Marley, Pat Robertson: An American Life (Rowman & Littlefield, 2007), p. 190.

29Akwesasne Notes, Volume 9, No. 4, 1977.

30 Gord Hill: 500 anos de resistência indígena, pág. 13, PM Press, 2009.

31 Dr. Griffin, Paul: The Carbon Majors Database: CDP Carbon Majors Report 2017. Climate Accountability Institute. Julho de 2017. <<https://b8f65cb373b1b7b15feb-c70d8ead6ced550b4d987d7c03fcdd1d.ssl.cf3.rackcdn.com/cms/reports/documents/000/002/327/original/Carbon-Majors-Report-2017.pdf?1499691240&gt;

32 Um exemplo histórico proeminente de um produto químico criado por corporações que resultou em morte generalizada é o Agente Laranja. Durante a Guerra do Vietnã, a Monsanto e a Dow Chemical criaram este herbicida, que foi lançado sobre o Vietnã para destruir as florestas e expulsar os vietcongues, bem como destruir suas fontes de alimentos, mas o que eles supostamente não perceberam na época era que o produto químico eles pulverizaram estava infectado com dioxinas extremamente tóxicas. Como se a desfolha não fosse ruim o suficiente, 400.000 morreram e 500.000 vietnamitas nasceram com graves defeitos físicos como resultado. Muitos vietnamitas ainda são afetados por essas toxinas até hoje. Soldados americanos também foram expostos. O governo Truman, em colaboração com o governo Arévalo da Guatemala, seus ministérios da saúde e a Universidade Johns Hopkins, também realizou um experimento de 1946 a 1948 financiado pelos Institutos Nacionais de Saúde em que médicos infectaram intencionalmente 1.308 soldados, prisioneiros, doentes mentais e prostitutas com sífilis , cancro mole e gonorreia sem o seu consentimento, (apenas metade dos quais recebeu tratamento), resultando em 83 mortes. O USG pediu desculpas em 2010 como se isso deixasse tudo bem. Sete queixosos tentaram processar o USG por danos em março de 2011, mas o processo foi rejeitado porque (incrivelmente) o juiz alegou que os EUA não poderiam ser responsabilizados legalmente por ações tomadas fora dos EUA. Os experimentos foram liderados pelo médico do Serviço de Saúde Pública dos EUA, John Charles Cutler, do experimento semelhante de sífilis de Tuskegee de 1932, conduzido pelo Departamento de Saúde dos EUA, no qual homens negros foram informados de que estavam recebendo tratamento para sífilis, mas na realidade estavam apenas sendo observados para documentar os estágios de progressão da sífilis até a morte. Cutler também participou dos experimentos da prisão de Terre Haute, nos quais os prisioneiros foram infectados com gonorreia. O DDT é outro exemplo de um veneno corporativo que já foi onipresente.

33 “Climate Vulnerability Monitor”, DARA International, 2012. <<http://daraint.org/wp-content/uploads/2012/10/CVM2-Low.pdf>&gt;

34MONITOR DE VULNERABILIDADE CLIMÁTICA: UM GUIA PARA O CÁLCULO FRIO DE UM PLANETA QUENTE. pág. 14. http://daraint.org/climate-vulnerability-monitor/climate-vulnerability-monitor-2012/report/

35Professor Philip J Landrig et. al: The Lancet Comissão sobre poluição e saúde. Outubro de 2017. The Lancet. <<https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(17)32345-0/fulltext>&gt;

36Damian Carrington: A poluição global mata 9 milhões por ano e ameaça a ‘sobrevivência das sociedades humanas’ 20 de outubro de 2017. The Guardian <<https://www.theguardian.com/environment/2017/oct/19/global-pollution-kills-millions -ameaças-sobrevivência-sociedades-humanas>&gt;

37 A maioria das mortes causadas pelo Katrina foi causada pela negligência do Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA que projetou os diques para furacões, a FEMA e o governo Bush, bem como por corporações que usam ou extraem combustíveis fósseis.

38Jugal K. Patel: Como 2016 se tornou o ano mais quente da Terra já registrado. NYT. 18/01/17. <<https://www.nytimes.com/interactive/2017/01/18/science/earth/2016-hottest-year-on-record.html?_r=0>&gt;

39Nicola Jones: Como o mundo ultrapassou um limite de carbono e por que isso importa. Escola de Silvicultura e Estudos Ambientais de Yale. 26/01/17. http://e360.yale.edu/features/how-the-world-passed-a-carbon-threshold-400ppm-and-why-it-matters

40Ian Johnston: O Ártico pode ficar livre de gelo pela primeira vez em mais de 100.000 anos, afirma o principal cientista. O Independente. 04/06/16. http://www.independent.co.uk/environment/clima

te-change/arctic-could-become-ice-free-for-first-time-in-more-than-100000-years-claims-leading-scientist-a7065781.html 41André Craens: Garbage Patch – A Grande Mancha de Lixo do Pacífico e outros problemas de poluição <<http://garbagepatch.net/greatpacificoceangarbagepatchfacts/>&gt; 42Jenna R. Jambeck: Insumos de resíduos plásticos da terra para o oceano. Revista Ciência. 13/02/15. http://science.sciencemag.org/content/347/6223/768 43Damian Carrington: Mundo a caminho de perder dois terços dos animais selvagens até 2020, alerta importante relatório. O guardião. 26/10/16. <<https://www.theguardian.com/environment/2016/oct/27/world-on-track-to-lose-two-thirds-of-wild-animals-by-2020-major-report-warns&gt; &gt;

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s